Uma guerra sem generais

A coluna está preocupada com a frequência com que tem concordado com o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara, ou do apoio dele a teses lançadas neste espaço. Maia foi preciso ao dizer que o Governo Bolsonaro não fez um pacote organizado para combater a crise e que reage às pressões de setores da sociedade e a notícias de medidas adotadas no exterior.

Falando de forma menos política, o que foi apresentado até agora é uma colcha de retalhos, com sérios problemas jurídicos e operacionais, que não dão confiança nem aos empresários, nem aos trabalhadores. O único setor que está tranquilo, por ter todos seus desejos atendidos, é o financeiro. Não bastasse o R$ 1,2 trilhão garantido pelo Banco Central, diante de um cenário de aumento de juros pelos bancos o que fez o governo? Limou o IOF. Diferentemente de outros tributos, como PIS e Cofins, que foram apenas adiados, o IOF não precisará ser recolhido. Com isso, reduz-se o custo do empréstimo, garantindo os juros elevados.

Na Argentina, o governo proibiu demissões e garantiu apoio às empresas; na Rússia, Putin colocou todos de férias por um mês, com direito a salário; Trump bancou um pacote trilionário e estendeu o seguro-desemprego para 12 meses.

No Brasil, as medidas são tomadas de olho nos livros fiscais e no lucro financeiro. Além disso, quem deveria estar no comando aposta na insegurança e demonstra total incapacidade. Não se sabe quantos casos de contaminação pelo coronavírus realmente existem, por falta de laboratórios para os exames – lembre-se que saúde, educação e ciência são demonizados pelo atual governo e tiveram suas verbas cortadas.

Sem conhecer o número de baixas e sem generais no comando, o Brasil vai à guerra dependendo de esforços individuais.

 

Reforço

No distrito de moda em Nova York, costureiras que estão sem trabalho e se dispõem a colaborar no “esforço de guerra” estão recebendo tecidos especiais e moldes para fazer roupas de proteção e aventais para os profissionais da saúde. Os estoques nos hospitais estão caindo, e há dificuldade em se encontrar o material específico. O movimento é fruto do esforço de companhias do segmento de moda.

 

Indústria no vermelho

O ritmo de operação do setor industrial neste início de 2020 é inferior ao registrado em igual período de 2019. Na comparação do primeiro bimestre de 2020 com igual período do ano passado, houve retração de 0,6%. Com os primeiros efeitos das restrições da Covid-19, é aposta certa que o setor ficará no vermelho no primeiro trimestre, completando o sexto trimestre consecutivo de perda de produção. E a perspectiva é que a cor permaneça até o final do ano.

 

Dependência

A dificuldade em se importar material médico – com direito a atos de pirataria dos EUA na China – é uma triste forma de lembrar que dependência em itens essenciais é uma porta para o desastre. O alerta vale para todas as nações que terceirizam suas produções ao sabor do mercado.

 

Rápidas

O deputado Luiz Flávio Gomes (PSB-SP) morreu nesta quarta-feira, aos 62 anos, em decorrência de uma leucemia agressiva descoberta no final do ano passado. Ele foi juiz, promotor, professor e colaborou esporadicamente com artigos para a página de Opinião do Monitor Mercantil *** A terapeuta ortomolecular Heloísa Bernardes está com vários cursos profissionalizantes online: Formação Quântica em Bio Ortomolecular Avançada e Terapia Ortomolecular (em parceria e certificado pela Faculdade Facha); Formação em Naturopatia (parceria e diploma com a Academia de Medicina Europeia); e Estética Ortomolecular Master. Veja a programação aqui *** Como seria expandir seu negócio nas redes sociais nesse momento? A oficina online e ao vivo “Como Expandir sua Marca nas Mídias Sociais” acontecerá 16 de abril, de 19h às 21h, com a terapeuta quântica Deborah Souza. Inscrições aqui *** A ABI de São Paulo, em conjunto à ABI nacional e entidades da sociedade civil, fará um ato virtual em 7 de abril, Dia do Jornalista, pelo Facebook, às 19 horas, “em defesa do jornalismo, da informação e da verdade”. No mesmo dia, será realizada a entrega do troféu Audálio Dantas, em homenagem à jornalista Patrícia Campos Mello.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Mirem-se nos exemplos da Shell e da Exxon

Petrobras é fundamental para o desenvolvimento brasileiro.

Governo pode – e deve – controlar progresso tecnológico

Tecnologias transformadoras do século 20 não teriam sido possíveis sem liderança do Estado.

Salário mínimo baixo, gasto do Estado alto

Nos EUA, assistência a trabalhadores que ganham pouco custa US$ 107 bi por ano ao governo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

MPEs veem oportunidades geradas pela crise

Principal mudança foi alocação de recursos para trabalhar e atender remoto, seguida por investimentos em tecnologia para vendas não presenciais.

Mudança de sinais

Terça começou tensa para os mercados de risco no mundo; hoje, a expectativa para o dia é de Bovespa seguindo em recuperação.

Quatro conselheiros da Petrobras decidem deixar o cargo

Eles são representantes da União no Conselho da empresa, petrolífera divulgou nota ontem à noite.

Biden quer estados priorizando vacinação de professores

Presidente americano pediu que educadores recebam pelo menos uma dose de vacina.

PEC fiscal e lockdown ficam no radar em dia de PIB

Em Nova Iorque, as pressões dos treasuries e a queda das companhias de tecnologia tiveram forte impacto nas Bolsas.