União concentra 77% da dívida pública do Rio

Apesar de pagamentos feitos pelos estados, débito não para de subir.

Dos R$ 184 bilhões da dívida pública do Estado do Rio de Janeiro, 61% têm como credor diretamente a União e 16% estão relacionados a contratos que têm o Governo Federal como garantidor. Os dados, consolidados até dezembro de 2021, foram apresentados pela Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz), nesta terça-feira, na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) criada pela Assembleia Legislativa (Alerj) para apurar o montante da dívida do estado.

A superintendente de Controle da Dívida Ativa da Sefaz, Diana Cabral, informou ainda que os débitos com bancos públicos somam 11%; dívidas com credores estrangeiros são 9%; e os 3% residuais são relacionados a bancos privados, órgãos da administração pública indireta e precatórios.

Levantamento realizado sobre amortização e pagamento de juros relacionados à dívida com a União, a partir de 1997, revelou que somente se abateu débito entre os anos de 2009 e 2017. Projeção feita pela Sefaz projeta que, ao fim do novo Regime de Recuperação Fiscal (RRF), em 2030, o estoque da dívida deverá se estabilizar em aproximadamente R$ 200 bilhões.

O economista José Carlos de Assis apresentou, em matéria no Monitor Mercantil publicada há cinco anos, que, quando a dívida dos estados foi criada, em 1997, pelo Governo FHC, representava R$ 111,18 bilhões em valores de 2017. Foram pagos o equivalente a R$ 277 bilhões. E, pelas contas do Governo Federal, restava todos os estados pagarem R$ 476 bilhões. Hoje, somente o Estado do Rio de Janeiro deve à União RS 141,7 bilhões (77% dos R$ 184 bilhões da dívida total do estado).

Para o presidente da comissão, deputado Luiz Paulo (PSD), a entrada do estado no RRF, em 2017, não foi efetiva em permitir que o estado organize suas finanças e realize investimentos que possibilitem o desenvolvimento econômico e social: “A vantagem estratégica de se aderir ao RRF é respirar por um período e fazer a retomada do pagamento da dívida. Se, durante o respiro, são aplicados juros, não respiramos, estamos na forca”.

A deputada Martha Rocha (PDT) também criticou os efeitos das adesões aos RRFs, e ressaltou que os servidores públicos são os penalizados. “Não vejo nenhuma engenharia financeira que trouxe benefício real ao estado. Ainda que se fale da necessidade de RRF para manter o estado funcionando, nessa brincadeira se foram R$ 15 bilhões, e não vejo compromisso real de redução de custos por parte do governo. Contratos são feitos sem qualquer tipo de controle por secretarias, não vejo nenhuma austeridade, somente trazer o servidor público para debaixo do chicote”, afirmou.

O subsecretário de Planejamento Estratégico, da Secretaria estadual de Planejamento e Gestão (Seplag), Bruno Sobral, concordou com parte das críticas feitas pelos parlamentares aos regimes de recuperação fiscal e afirmou que é importante que os valores sejam questionados pelo estado. Sobral também destacou o desequilíbrio a respeito do que os valores devidos representam para a União e para o estado. “O Governo Federal não precisa destes recursos, não irão quebrar o Brasil caso a dívida seja revista. É um valor muito pequeno para os cofres do Governo Federal”, declarou.

Com informações da Alerj

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

‘Adesão da Finlândia e da Suécia enfraquecerá Otan’

Para estudiosa, Ocidente 'precisou' se expandir para países da ex-URSS para impor 'valores ocidentais' e 'democracia', segundo a narrativa.

Rio e União assinam acordo de recuperação fiscal

Até dezembro deste ano, estado pagará ao Tesouro Nacional, a partir de agosto, cerca de R$ 300 milhões por mês.

Empresas estão um passo atrás na busca por talentos

Especialista: Descrição do trabalho e formas de contratação, além do aprimoramento empresarial

Últimas Notícias

Geladeiras devem exibir nova etiqueta de eficiência

Comércio varejista tem prazo até 30 de junho de 2023 para continuar vendendo os produtos com a etiqueta antiga.

Mercado pet deve crescer 14% em 2022

Chile é o país que mais importou produtos pets brasileiros no primeiro trimestre; setor prevê novas exportações neste ano.

FGTS vira moeda do governo para movimentar a economia

Atualização monetária das contas do Fundo não acontece e trabalhador continua no prejuízo.

EUA: tiroteio em escola bate maior número em 20 anos

Segundo relatório, houve apenas 23 incidentes com vítimas fatais durante o ano letivo de 2000/2001.

Bebidas Online busca captar R$ 2 milhões com pessoas físicas

Com crescimento projetado de 19% para 2022, startup de delivery de bebidas usará recursos nas áreas de marketing, desenvolvimento de produtos e expansão do time