Univitelinos

Descolado da Argentina no mundo cor de rosa das colunas do jornalismo econômico local, o Brasil real, no entanto, já sofre os efeitos da quebra do país vizinho. Segundo Marco Palacio, presidente da Associação Argentina de Viagens e Turismo (AAAVyT), apenas na primeira semana de janeiro, a queda nos vôos para o Brasil chegou a 80% em relação ao mesmo período do ano passado. Somente em dezembro passado, o setor demitiu mil empregados e Palacios prevê dias piores se a situação não melhorar. “Se continuar desse jeito, muitas empresas vão quebrar”, salienta.

Univitelinos II
O quadro é tão grave que o presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagem (Abav), Tasso Gadzanis, viajou até a Argentina para acompanhar o desenrolar da crise de perto: “Ano passado houve 817 vôos charter apenas para Florianópolis. Nessa temporada, havia 800 reservas, mas teremos sorte se 30% se confirmarem”, diz Gadzanis.

Riscos
Informa a Central Única dos Trabalhadores no Rio de Janeiro (CUT-RJ) que o Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense denunciou que estão ocorrendo freqüentes paradas de produção na Bacia de Campos, devido às precárias condições das plataformas.

Começar de novo
Esta coluna não se surpreenderá se, dentro do processo de reconstrução do país, desmontado por uma década de neoliberalismo, o novo governo argentino estatizar o sistema financeiro. É isso ou parir um Proer que, guardadas as dimensões das duas economias, faria o Proer tucano insinuar que o ministro Pedro Malan é um tímido defensor da banca.

Fundamentalismo
Enquete da edição eletrônica do jornal argentino El Clarín revela que a manutenção do apoio à conversibilidade, pelo menos entre os internautas, está longe de ser uma unanimidade. Somadas, as três opções contrárias, total ou parcialmente, à paridade com o dólar – totalmente (27,8%), alguma coisa (17,5%) e pouco (9,45) – atingem 54,7% contra 45,4% dos votantes radicalmente contrários à desvalorização do peso. O número expressivo dos que ainda mantêm apoio à paridade não deve surpreender os estudiosos dos fundamentalismos. Afinal, os seguidores de Bin Laden continuam acreditando que, ao morrer, depois de explodirem seus próprios corpos, serão recebidos por virgens no Céu.

Artigo anteriorCancún
Próximo artigoCinderela às avessas
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Moeda chinesa na mira dos bancos centrais

Participação como reserva internacional ainda é baixa… por enquanto.

Bolsonaro comanda pior resposta à pandemia da AL

Para formadores de opinião, Brasil foi pior até que a estigmatizada Venezuela.

Cem anos de Celso Furtado

A atualidade de um dos mais importantes intelectuais do planeta.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Lei do Superendividamento favorece negociação e cobrança humanizada

Início das multas no contexto da LGPD também deve frear a oferta de crédito a quem não pode pagar.

Mercado de fertilizantes especiais cresce 41,8% em 2020

Neste ano, a expectativa é de que o setor obtenha uma nova elevação de 24%.

Consumo nos setores de turismo e diversão cresce em junho no Rio

O consumo das classes C e D no Brasil recuou 5% em junho, depois de ter subido 8% em maio, de acordo com a...

População de países emergentes fica ainda mais pobre

Perda de renda foi 2x maior que nas nações ricas.

Pagamento indevidos: TCU encontra 11% de inconsistências no INSS

‘Falhas afetam a confiabilidade do banco de dados’ de benefícios previdenciários.