Última esperança

A falta de perspectivas de emprego e o elevado desemprego, frutos mais amargos da política econômica do ministro Palocci, estão inflando a busca dos brasileiros por concursos públicos. Apenas ano passado, quando a economia do país encolheu 0,2%, a procura por concursos cresceu cerca de 80% sobre 2002, reunindo aproximadamente 4 milhões de candidatos em todo o país. De olho nesse filão, crescem os lançamentos editoriais voltados para os órfãos do emprego privado. Durante a 44ª Feira da Providência, que começa amanhã e se encerra domingo, no Riocentro, a Editora Ferreira, por exemplo, lança, o Guia do Concurso, primeira revista do país especializada em concursos públicos.

Classificados
Oportunidade para quem busca uma renda extra neste final de ano (ou seja, quase todo brasileiro). O projeto Estoque de Sites (www.estoquedesites.com.br) procura representantes em todo o país. Os interessados – maiores de 18 anos, universitários ou não – devem entrar em contato pelo e-mail comercial@estoquedesites.com.br. A empresa tem cerca de 500 opções de sites prontos para aluguel.

Play
Truques de ilusionismo para manter os funcionários motivados na Vicunha Têxtil. Não, não se trata dos métodos habitualmente utilizados pelas equipes de RH para iludir os “colaboradores”. Trata-se de ilusionismo, mesmo, como parte de um programa de treinamento para combater o estresse e a baixa estima. O programa – Kamia Training – inclui atividades lúdicas, como descer em tobogãs e escalar paredes.

Quem semeia vento…
Semana passada o governador tucano Aécio Neves, de Minas Gerais, ocupou a mídia nacional (inclusive paga) com o anúncio de que Minas havia alcançado o déficit zero, ou seja, só gastava o que arredava. Não se sabe que cortes o governador mineiro fez para atingir essa situação, mas, pelo resultado das eleições nas cinco principais cidades do estado, pode-se imaginar. O PSDB foi derrotado na capital e em Contagem (ambas para o PT), em Uberaba (para o PL), Uberlândia (para uma coligação encabeçada pelo PP) e em Juiz de Fora, onde os tucanos conseguiram somente ressuscitar o collorido Carlos Alberto Bejani (PTB).

Segundão
Em todo o estado de Minas, Aécio, o campeão do déficit zero, abiscoitou apenas 14,3% dos votos. Desse jeito se firmou como a segunda força do estado, atrás do PT e empatado com o PMDB, apesar de contar com a máquina do estado e a tradicional compreensão da imprensa “chapa branca”.

Segunda divisão
A fraca perfomance em Minas dinamitou a pretensão de Aécio Neves disputar a vaga tucana para a candidatura a presidente em 2006, atropelado pelo paulista Geraldo Alckmin. O governador mineiro terá de se contentar em tentar uma (difícil) reeleição. Ou como venceu na grande maioria dos pequenos municípios, poderá se candidatar a prefeito das progressistas cidades de Carandaí e Cipotânea, nas quais sua popularidade permanece em alta.  No geral, porém, Aécio ficou na posição semelhante ao do presidente do clube de futebol que, prestes a ver seu time rebaixado para a segunda divisão, lembra que pelo menos a agremiação está saneada administrativamente.

Obras
Noves fora o marketing, o déficit zero de Aécio não é muito diferente do que produzido por governantes em geral, que apertam o cinto nos primeiros 30 meses de mandato para depois soltar dinheiro para obras às vésperas da eleição.

Sísifo
O que aperta, realmente, as contas em Minas, assim como nos demais estados, é o peso da dívida: o governador Aécio Nevez lembrou que, quando foi renegociada, a dívida mineira batia nos R$ 17 bilhões. De lá para cá Minas pagou R$ 8 bilhões, mas o débito dobrou para R$ 34 bilhões.

Artigo anteriorGringo doidão
Próximo artigoMuda até de camisa
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Mirem-se nos exemplos da Shell e da Exxon

Petrobras é fundamental para o desenvolvimento brasileiro.

Governo pode – e deve – controlar progresso tecnológico

Tecnologias transformadoras do século 20 não teriam sido possíveis sem liderança do Estado.

Salário mínimo baixo, gasto do Estado alto

Nos EUA, assistência a trabalhadores que ganham pouco custa US$ 107 bi por ano ao governo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

MPEs veem oportunidades geradas pela crise

Principal mudança foi alocação de recursos para trabalhar e atender remoto, seguida por investimentos em tecnologia para vendas não presenciais.

Mudança de sinais

Terça começou tensa para os mercados de risco no mundo; hoje, a expectativa para o dia é de Bovespa seguindo em recuperação.

Quatro conselheiros da Petrobras decidem deixar o cargo

Eles são representantes da União no Conselho da empresa, petrolífera divulgou nota ontem à noite.

Biden quer estados priorizando vacinação de professores

Presidente americano pediu que educadores recebam pelo menos uma dose de vacina.

PEC fiscal e lockdown ficam no radar em dia de PIB

Em Nova Iorque, as pressões dos treasuries e a queda das companhias de tecnologia tiveram forte impacto nas Bolsas.