35.5 C
Rio de Janeiro
domingo, janeiro 17, 2021

Último fundamentalista

Já dizia um filósofo, há cerca de 200 anos, que tem gente que não leva em consideração a realidade, mas, em compensação, não é considerado por ela. A lembrança vem a propósito da decisão unânime do Federal Reserve (Fed) de manter a taxa básica de juros na sua reunião de terça-feira. Diante do acirramento da crise financeira, dessa vez, até o presidente do Fed de Dallas, Richard Fischer, que, nas últimas reuniões, foi a voz solitária pela alta dos juros, arquivou o dogmatismo. Nada como um choque de realidade.

Co-responsabilidade
Entre as medidas a serem incluídas na inadiável reestruturação do sistema financeiro mundial, uma das principais é a responsabilização cível e criminal das agências de classificação de risco, cujas cotações induzam investidores a prejuízos. A medida deve seguir o mesmo princípio aplicado aos escritórios de consultoria, que são co-responsáveis pela declaração do Imposto de Renda dos seus clientes.

Inútil
Aliás, desde que ganhou o cobiçado investiment grade, o mercado financeiro brasileiro vai ladeira abaixo.

GLP
Amazonas reduzirá, de 17% para 1%, o ICMS incidente sobre o botijão de gás liquefeito, a partir de 1 de outubro. Na reunião do Conselho Nacional de Política Fazendária, dia 25 próximo, em Salvador, o presidente Lula vai propor que a medida se estenda a todos os estados brasileiros.

Óleo
O preço do barril de petróleo do tipo Brent deve se estabilizar na faixa de US$ 70/US$ 75 (em dólar de hoje) até 2015, prevê estudo divulgado pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE) na Rio Oil & Gas.  De acordo com o trabalho, a desaceleração do crescimento da demanda mundial de petróleo, aliada à expansão da produção, serão dois dos fatores que sustentarão a redução gradativa do preço do insumo no mercado internacional.

Dois pesos
Enquanto a Federação Latino-americana de Imprensa (Felap, sigla em espanhol) condenou os atos cometidos por “fascistas” contra jornalistas na sede da emissora pública Televisión Boliviana, em Santa Cruz de La Sierra, a Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP, igualmente em espanhol) guarda suspeito silêncio sobre as violências contra a liberdade de imprensa.

Tríplice fronteira
Pando, na tríplice fronteira Bolívia-Brasil-Peru, sempre foi um dos sonhos de consumo dos norte-americanos, que não se furtariam a instalar uma base na cidade boliviana se tivessem oportunidade. Não à toa, em Cobija, capital do estado, registram-se algumas das maiores atrocidades, sob comando dos “caciques” (que de índio têm raiva) locais, todos latifundiários, muitos envolvidos com tráfico de drogas.

Suástica
Um brasileiro que está na Bolívia, trabalhando para uma ONG, relata que as ações em Pando e nos demais estados orientais, coordenadas por uma milícia fascista, seguem os moldes da Juventude Hitlerista, uma tropa de choque das oligarquias. “Não têm nenhuma vergonha em exibir a suástica pelas ruas, em ameaçar e atacar pessoas de acordo com a cor da pele ou lugar de origem”, relata o brasileiro.
Destilam ódio aos indígenas e aos “cola”, ou seja, aos não-brancos. Conversando com uma senhora, ela relatou ao brasileiro amigo desta coluna que nos “paros civicos” (greves) os comerciantes são, na verdade, obrigados a fechar as lojas como se estivessem apoiando a manifestação. O método não difere muito da intimidação de traficantes contra lojistas quando pedem “luto”: “Eles vêm de moto, quebram os vidros, levam a mercadoria, agridem, não tem jeito”.
Os jornais falam que os camponeses estavam armados e teriam atacado funcionários da prefeitura. “Nova mentira. Os camponeses não estavam e não estão armados, seus líderes estão sendo perseguidos.” Quando conseguem, apenas resistem aos ataques fascistas.

Passado
O embaixador norte-americano Philip Goldberg, expulso da Bolívia por Evo Morales, ostenta um currículo considerável, como uma atuação nas guerras de divisão da ex-Iugoslávia. Foi chefe de missão em Pristina entre 2004 e 2006; antes, entre 1994 e 1996, esteve na Bósnia.

Marcos de Oliveira e Sérgio Souto

Artigo anteriorFé no mercado
Próximo artigoGeladeira
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

Mercado de automóveis está mudando, mas montadora sucumbiu aos próprios erros e à estagnação que já dura 6 anos.

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Se índice de óbitos por Covid-19 no Brasil seguisse a média mundial, teriam sido poupadas 154 mil vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.