Único bobo

Enquanto o ministro Pedro Malan se senta em cima de todos os pleitos da siderurgia nacional contra a importação predatória de aço, os países desenvolvidos têm multiplicado seu arsenal protecionista. Entre 1997 e 2000, dos 1.216 processos antidumping, de direitos compensatórios e salvaguardas abertos pelos países desenvolvidos, cerca de 30% foram contra importações do setor siderúrgico. Em tempo, esses dados constam de estudo encomendado pelo Ministério do Desenvolvimento brasileiro.

As contradições de Lavagna
O novo ministro da Economia da Argentina, Roberto Lavagna, assume o cargo com um discurso que, como parece ser a norma do governo Eduardo Duhalde, carrega contradições inconciliáveis. Ligado ao setor produtivo, promete priorizar a indústria nacional e não privilegiar os interesses dos credores do país nem dos especuladores internos e externos.
Com isso, sinalizaria a retomada de uma política industrial, uma das principais pré-condições para a Argentina desembarcar do projeto colonial iniciado pela dobradinha Menem/Cavallo. Ao mesmo tempo, no entanto, Lavagna parece disposto a levar adiante a exigência do FMI de apertar o cerco fiscal às províncias. Como o incentivo ao crédito e ao consumo são indispensáveis para a Argentina voltar a crescer, essa intenção, na prática, anula as medidas positivas que venham a ser tomadas em defesa da indústria.
A insistência no garrote fiscal é mais danosa até do que o retorno ao câmbio fixo, desde que esse se restrinja a período bastante limitado, suficiente apenas para preparar medidas mais de fundo contra a anarquia cambial. Aliás, mesmo entre os defensores originais da paridade do peso com o dólar, muitos pregavam sua manutenção por prazo bastante limitado. Já a prática recorrente de corte de gastos e juros elevados é equivalente à decisão do doente de trocar o remédio pelo veneno.

Mil e uma noites
Se é verdade que o econômico é a razão oculta por trás de tudo, o Brasil tem cada vez menos razões para ficar em cima do muro diante do massacre dos palestinos levado a cabo pela blitz do governo de Ariel Sharon. No primeiro trimestre deste ano, as exportações do Brasil para o mundo árabe saltaram para US$ 503 milhões. Esse resultado é 14% superior aos US$ 440 milhões no mesmo período do ano passado. Na mesma base de comparação, as importações recuaram 56%, de US$ 860 milhões, no primeiro trimestre de 2001, para US$ 380 milhões, em 2002. Com isso, o país obteve superávit de US$ 123 milhões de janeiro a março deste ano, contra déficit de US$ 420 milhões, no primeiro trimestre de 2001.
Caminho das arábias
O presidente da Câmara de Comércio Árabe Brasileira (CCAB), Paulo Atallah, saúda o resultado como uma prova de o Brasil já pode comemorar a consolidação da corrente de comércio (exportações e importações) com o mundo árabe. “Somados os recursos que entraram e os que deixaram de sair do país chegamos a US$ 543 milhões. Essa expansão do comércio com o mundo árabe representa metade do saldo geral da balança comercial brasileira nos três primeiros meses deste ano, de US$ 1,1 bilhão”, destaca Atallah.

A pé
Nem os três aumentos consecutivos do preço da gasolina este ano foram suficientes para alavancar as vendas de carro a álcool. Segundo Renato Ferreira, gerente do Autoline.com, um sítio automobilístico, afirma que, diferentemente do que muita gente pensa, as vendas de carros a álcool se mantêm no mesmo patamar nos últimos 30 meses. De olho nesse nicho de mercado, o sítio lançou uma seção especial com cerca  de 400 ofertas de carros a álcool, entre zero quilômetro e usados. De acordo com Ferreira, promover o encontro entre  vendedor e comprador desse tipo de veículo é a tarefa mais difícil para sua comercialização.

Artigo anteriorModesto
Próximo artigoIlustrativo
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

União perde bilhões de dólares no petróleo

Lei isentou campo mais produtivo de pagamento de participações especiais.

Taxa de carbono vai custar quase € 800 mi à Turquia

Barreira ambiental da União Europeia é alerta para o Brasil.

Sonho da casa própria fica mais distante

Contratação de moradias com recursos do FGTS cai ano após ano.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

EUA: 3,5 milhões de despejos

Mais de 3,5 milhões de norte-americanos estão ameaçadas de despejo poucos dias após o término da prorrogação da medida de proteção aos inquilinos inadimplentes...

STF dá prazo para Bolsonaro explicar bloqueio de jornalistas

O presidente da República terá 10 dias para explicar o bloqueio de jornalistas em seu perfil no Twitter. O prazo foi estipulado pela vice-presidente...

Bolsonaro descarta tributar grandes fortunas

A possibilidade de instituir imposto sobre grandes fortunas, tabelamento de preços ou aumento de carga tributária no Brasil foi descartada nesta segunda-feira pelo Jair...

Só 3,5% das empresas têm mulheres como CEO

BR Rating ouviu 486, sendo 57% de capital nacional e 43% multinacionais Apenas 3,5% das corporações têm mulheres atuando como CEOs, uma prova de que...

Brasil pode ser principal player para investimentos verdes

“Atualmente, estima-se R$ 30 bilhões em gestão de títulos verdes no país, com grande potencial de crescimento, frente a US$ 1 trilhão de recursos...