Urbano e de nível superior

A pesquisa feita em julho pelo Datafolha sobre o governo interino e o processo de impeachment gerou polêmica pela forma como foi divulgada pela Folha de S.Paulo (veja a nota da coluna em http://monitordigital.com.br/preferencia-por-temer/), que mereceu do jornalista Glenn Greenwald a acusação de “fraude jornalística” e a reprimenda, ainda que um tanto demorada, da ombusdman do jornal, Paula Cesarino Costa, a qual afirmou que a Folha “errou e persistiu no erro” ao publicar dados incompletos. Mas o problema da pesquisa não se resume à divulgação. Ele começa na própria relação jornal–instituto e continua na amostragem, crítica já feita não só ao Datafolha, mas a outras empresas de pesquisa, em diversas ocasiões.

Dos entrevistados ouvidos em julho, 20% têm ensino superior. O percentual é bem acima do registrado no TSE em 2014 (5,6%) e do Censo Demográfico do IBGE de 2010 (10,8%). Pesquisa Ipsos sobre o mesmo tema, divulgada uma semana depois, tinha 9,4% das pessoas da amostragem com curso universitário. A diferença acaba refletindo nas respostas. Por exemplo, o Datafolha perguntou qual é o principal problema do país hoje. Quem tem curso superior apontou a corrupção (47%), o que puxou a média para cima (32%). Já quem tem apenas o fundamental aponta saúde (25%) e desemprego (22%).

Outro problema é que as pesquisas ouvem apenas o morador das cidades. O campo fica de fora, e ele representa quase 20% do eleitorado. Mas a pesquisa é apresentada como se refletisse o pensamento de todos os brasileiros. (Diga-se de passagem, ao divulgar o estudo, o Datafolha fez o que o jornalismo da Folha ignorou; o título dizia “Governo Temer é aprovado por 14% e reprovado por 31%”; no subtítulo, “58% querem afastamento definitivo de Dilma Rousseff, e 62% são favoráveis a nova eleição”)

Há um terceiro problema, este estrutural: onde começa o jornal e termina o instituto? Em entrevista ao site Intercept, de Glenn Greenwald, Luciana Chong, do Datafolha, insistiu que foi a Folha, e não o instituto de pesquisa, quem estabeleceu as perguntas a serem colocadas. O “cliente” participar da definição do escopo da pesquisa é normal; inconcebível é determinar as perguntas – e provavelmente as respostas – a serem apresentadas no questionário.

Tudo isso somado e temos um quadro perfeito para questionamentos e levantamento de suspeitas de manipulação. Sérgio Dávila, editor-executivo da Folha, afirmou que é prerrogativa da Redação escolher o que acha jornalisticamente mais relevante no momento em que decide publicar a pesquisa. “O resultado da questão sobre a dupla renúncia de Dilma e Temer não nos pareceu especialmente noticioso, por praticamente repetir a tendência de pesquisa anterior e pela mudança no atual cenário político, em que essa possibilidade não é mais levada em conta.” Também é prerrogativa dos leitores mudarem de fonte de informação, o que está ocorrendo – e deixando alarmados os jornalões.

Desempenho do Moro

A inflação de brasileiros com curso superior na pesquisa do Datafolha turbina a aprovação ao desempenho do juiz Sergio Moro na Operação Lava Jato. Ela é ótima/boa para 75% dos entrevistados com nível universitário, percentual que cai para 53% entre os que possuem apenas o fundamental. Por outro lado, neste grupo, 16% acha o desempenho ruim/péssimo, ante 9% dos que possuem nível superior.

Contratos foram feitos para serem rasgados

O homem forte das privatizações do Governo Temer, Moreira Franco, ensinou, em entrevista na quinta-feira, que é preciso mudar os contratos já assinados com concessionárias de rodovias para atrair novos investidores. Justo agora, que esta coluna estava quase acreditando que, para atender aos investidores, é necessário respeito aos contratos!

Multa para grupos ligados aos Koch

A Comissão Federal Eleitoral (FEC) dos Estados Unidos multou em US$ 233 mil três grupos ligados aos irmãos bilionários Charles e David Koch, por não terem revelado a origem dos fundos que foram utilizados na campanha de 2010 para o Congresso. Segundo a ONG Center for Public Integrity, a punição é algo pouco usual; a FEC, que controla o financiamento das candidaturas, é acusada de ser inofensiva. A American Encore (na época, Center to Protect Patient Rights) é a entidade controlada pelos Koch que doou milhões a três organizações. Estes grupos, por sua vez, pagaram anúncios em benefícios de candidatos republicanos ou contra democratas.

Os irmãos Koch são sócios e possuem, segundo a revista norte-americana Forbes, US$ 39,6 bilhões cada; somadas as fortunas, ficam à frente de Bill Gates, o número um da lista (Charles e David, isoladamente, aparecem em nono lugar). O grupo Koch Industries é a segunda maior empresa de capital fechado dos EUA, depois de Cargill. Os irmãos dão suporte à direita conservadora republicana e expandem seu apoio a entidades de extrema-direita em outros países. No Brasil, foram acusados de financiar os atos contra Dilma Rousseff. O Movimento Brasil Livre (MBL) nega ter recebido dinheiro dos Koch.

Rápidas

A exposição Arte Funcional, de Felipe Barbosa, será inaugurada neste, às 13h, e ficará na Sergio Gonçalves Galeria até 17 de setembro. A mostra dialoga com o clima olímpico que a cidade do Rio de Janeiro viveA galeria fica na Rua do Rosário, 38, Centro, Rio de Janeiro (próximo ao CCBB) *** No dia 4, o Shopping Jardim Guadalupe (RJ) e o Sebrae realizam a oficina “Sei Planejar”, voltada exclusivamente para microempreendedores individuais. Para participar, os interessados deverão se cadastrar pelo telefone 0800 5700800.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Cortes poupam petroleiras e ‘bolsa refrigerante’

Para liberar auxílio emergencial, governo prejudica setores essenciais.

Inflação e PIB expõem falácia do Teto dos Gastos

‘Faz sentido?’, pergunta Paulo Rabello. ‘Claro que não’.

Mirem-se nos exemplos da Shell e da Exxon

Petrobras é fundamental para o desenvolvimento brasileiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Investimento chinês em pesquisa aumentará 7% ao ano até 2025

País divulga 14º Plano Quinquenal; desde 1953, PIB cresceu 1.232 vezes.

FMI: orçamento deve atender direitos das mulheres

No Egito, por exemplo, houve mais recursos para serviços públicos de creche.

Planos registram maior número de beneficiários desde dezembro de 2016

Dados de janeiro foram divulgados hoje pela ANS e confirmam tendência de crescimento no país.

MP-RJ pede júri popular para Flordelis e mais oito réus

Deputada é acusada de mandar matar o marido; 11 réus respondem ao processo, mas o MP pediu para não se pronunciar sobre dois deles.

Payroll de fevereiro surpreendeu positivamente as expectativas

Soma-se às surpresas a revisão no número anterior de 49k para 166k e, principalmente, a criação de vagas no setor privado em 465k.