US$ 2 tri para evitar recessão e manter chances de Trump

A soma é maior do que o PIB brasileiro.

Internacional / 22:49 - 25 de mar de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O Executivo e o Congresso dos Estados Unidos fecharam um pacote de estímulo à economia de US$ 2 trilhões nesta quarta-feira.A soma é maior do que o PIB brasileiro, calculado pelo Banco Mundial em US$ 1,88 trilhão.

O auxílio - que já vem sendo chamado de “novo Plano Marshall” - contemplará socorro a estados, ajuda de custo a trabalhadores colocados em quarentena, reforço do seguro-desemprego e auxílio a pequenas empresas.

A agilidade do governo norte-americano na aprovação das medidas busca recuperar a confiança do mercado na economia, após semanas de quedas acentuadas nas bolsas de valores de todo o mundo e o surgimento do fantasma da recessão. Bancos de investimento projetam queda da atividade econômica de até 30% no segundo trimestre do ano.

No entanto, as preocupações da Casa Branca não se restringem somente ao cenário econômico. “A principal preocupação de Donald Trump é a sua reeleição. Se a crise avança com força sobre o emprego, por exemplo, sua candidatura ficará enfraquecida. Os Estados Unidos têm hoje uma taxa de desemprego de 2,7%”, diz Leonardo Trevisan, economista e professor de Relações Internacionais da ESPM SP. “Essa taxa poderia chegar rapidamente a 6% se nada fosse feito. O impacto eleitoral disso seria enorme”, acrescenta.

De acordo com Trevisan, o pacote aprovado provavelmente não será o último. “Os problemas na economia mundial causados pela pandemia de covid-19 não se resolverão com essas medidas”, afirma. “Certamente virão outras. A questão mais importante é até onde ir com esses estímulos econômicos. Se eles pararem sem que a economia esteja totalmente recuperada, a crise volta com força.”

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor