Vade retro!

Cada dia de campanha eleitoral confirma impressão compartilhada por analistas independentes: a popularidade do ex-presidente FH nos círculos conservadores internacionais é inversamente proporcional a sua impopularidade entre os brasileiros. Além da ausência significativa no horário eleitoral de Geraldo Alckmin, FH não comparece à campanha de qualquer candidato tucano que seja minimamente competitivo no seu estado.

Mundo virtual
Os assesores do presidente Lula deveriam assistir a Bolívia: História de uma crise, de Rachel Boynton e que estreou no fim de semana passado nos cinemas do país. Com direito a participação de James (“É a economia, estúpido!”) Carville, o guru mundial dos marqueteiros, o filme narra como uma equipe de marquetagem norte-americana conseguiu transformar Gonzalo Sánchez de Lozada de um impopular ex-presidente responsável por um desastroso programa de privatização no seu primeiro governo no presidente do país. A vitória de Gonzalo, o Goni, que teve apenas 22% dos votos, somente foi possível porque a legislação eleitoral boliviana transfere ao Congresso a escolha do presidente, caso nenhum candidato obtenha mais de 50% mais um dos votos.
No entanto, o que parecia ser uma estrondosa vitória da marquetagem não se sustenta por mais de seis meses. Esse é o tempo para, revoltada com a tentativa de Goni de dar continuidade às políticas neoliberais do seu primeiro governo, a população foi às ruas pedir a saída do presidente, que fugiu para os Estados Unidos. Pouco depois, foi a vez de cair Carlos Mesa, vice-presidente que assumiu o lugar de Goni e também trombou com os movimentos populares ao insistir nas políticas neoliberais. Novas eleições convocadas, Evo Morales, segundo colocado, com 20,8%, quando da eleição de Goni, foi eleito com 54% dos votos. Ou seja, o marketing pode até ajudar a eleger, mas não garante governar com um programa antagônico ao dos palanques.

Matando a fome
Com a presença de cerca de 150   pessoas, o MST inaugurou, no início do mês, a biblioteca da Escola Nacional Florestan Fernandes, dirigida pelo movimento. Presente ao evento, o professor emérito da USP e crítico Antônio Cândido, destacou a importância do livro na formação da cidadania: “O livro mata a fome da cabeça, serve para a instrução e para a imaginação, direitos tão importantes quanto a alimentação”,  destacou Cândido.

Feliz
Um funcionário com salário de R$ 2 mil, treinado, com estrutura preparada para recebê-lo e que deixa a empresa antes do primeiro ano de trabalho, deixa um prejuízo da ordem de R$ 70 mil em tempo, força de trabalho e infra-estrutura, calcula Elmano Nigri, presidente da Arquitetura Humana. O maior erro das organizações é contratar bons profissionais, mas nem sempre coloca-los nos cargos certos e na hora certa. Isso gera estagnação, insatisfação, e leva a um aumento da rotatividade dentro da empresa: “Pessoas felizes geram empresas felizes, competentes e eficientes, com clientes mais satisfeitos”, explica Nigri.

Lasquinha
Os bancários brasileiros deram a largada esta semana a sua campanha salarial, que tem data-base em 1 de setembro. As principais reivindicações da categoria são: garantia do emprego, participação nos lucros das empresas e piso salarial de R$ 1,7 mil. No primeiro semestre, o lucro dos três principais bancos privados do país somou R$ 7,158 bilhões, mais 20,32% sobre o mesmo período de 2005.

Mapa do turismo
A TurisRio, empresa vinculada à Secretaria estadual de Turismo do Rio de Janeiro, em parceria com o Ministério do Turismo, promove, na próxima semana, seminário sobre o Inventário da Oferta Turística. O evento será aberto nesta segunda-feira e se estenderá até terça-feira, sempre das 8h às 18h, na Universidade Estácio de Sá (Avenida Presidente Vargas 642/9º andar), no Centro do Rio. O objetivo é mostrar aos trades e às instituições de ensino superior de Turismo do Estado do Rio de Janeiro a metodologia aprovada pelo ministério para levantamento turístico a ser realizado em todo o país.

Temporário
A terceirização tem se consolidado cada vez mais nas empresas. Atividades temporárias são particularmente atribuídas a terceirizados. Nos picos sazonais do comércio, por exemplo, cerca de 60% da mão-de-obra são terceirizadas, enquanto que, na construção civil, pode chegar a 90%, afirma o sócio-diretor da CentroServ RH, Francisco Teixeira “A utilização do trabalho temporário atende à demanda extraordinária de mão-de-obra por curtos períodos (90 dias, prorrogáveis por mais 90)”, lembrou.

Artigo anteriorMilenar
Próximo artigoGordura
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

Dois mitos sobre a Petrobras

Mídia acionada pelo mercado financeiro abusa de expedientes que ataca quando usados por bolsonaristas.

Mudar preços implica parar venda de refinarias

Mercado financeiro cobrará deságio, e Petrobras precisa de ativos para poder operar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Preços dos carros mais vendidos subiram 9,4% em média em um ano

Com 18,23% de variação, Renault Kwid foi o que mais subiu de preço entre os 13 mais vendidos.

PEC Emergencial pode sair da pauta do Senado desta quinta

Parlamentares resistem a cortes na saúde e educação e propõem votar apenas questão do auxílio emergencial.

Desdobramentos da intervenção na Petrobras

Percepção é de que o 'superministro' de Bolsonaro pode estar ficando cada vez mais isolado.

IPCA-15 de fevereiro ficou abaixo da expectativa

Índice mostra variação mais fraca que o esperado em alimentação, educação; já saúde e transportes vieram mais fortes que a expectativa.

Tentativa de superação

Ontem foi dia de recuperação da Bovespa, liderada pelas ações da Petrobras, Eletrobrás e setor bancário.