Vale a pena vender em marketplaces?

Mesmo com grande evidência no mercado digital, o termo marketplace ainda pode parecer estranho para muita gente, mas é provável...

Mesmo com grande evidência no mercado digital, o termo marketplace ainda pode parecer estranho para muita gente, mas é provável que sem saber esse público já tenha consumido o serviço. O mercado do varejo online, em franco crescimento, avança mesmo em momentos em que a economia não está acelerada, pois cada vez mais há demanda de consumidores em grandes shoppings virtuais, que por sua vez, também têm uma necessidade crescente de ampliar sua oferta: mais produtos, mais lojistas.

Existe uma linha fácil de transpor entre baixar um preço, vender a qualquer custo e a venda saudável. Como estes shoppings estimulam competição para que um lojista ocupe a chamada “buy box” (primeira posição na página do produto), a ganância pode levar o vendedor a praticar preços incompatíveis com suas margens.

 

Vendedor deve tomar cuidado

com algumas armadilhas e tentações

 

É muito comum escutar de varejistas que suas receitas têm crescido mês a mês, mas é fundamental saber se as margens do negócio estão sob controle, para que este gás não termine no meio do caminho levando o negócio ao fracasso.

Esta oferta do algoritmo, que posiciona o primeiro preço mais baixo aumentando sua exposição, está levando muitos vendedores a utilizar controle automático de preços, atitude que pode ser um perigo. Para ocupar esta posição de maneira sadia, praticando um preço mais baixo, é necessário combinar uma estratégia com o canal e, principalmente, estar convicto de uma boa negociação com o fornecedor, a fim de manter uma margem positiva para o negócio.

Respondendo ao título desse artigo, o marketplace é sim um negócio muito interessante e rentável, no entanto, é necessário um acompanhamento próximo e conhecimento detalhado do seu negócio para não oferecer milagres ou “almoço grátis”. Diante deste contexto, vou finalizar com alguns pontos para esta avaliação:

Baixo investimento – Para quem está começando o baixo investimento é uma proposta interessante. Os marketplaces têm uma oferta bastante atraente para os lojistas. Talvez a principal seja visitantes qualificados. Isso torna o custo-benefício interessante, dado que gerar confiança e conversão on-line para uma marca nova pode custar bem mais caro.

Maior visibilidade – Incluir os produtos dentro de um marketplace com grande fluxo de visitantes certamente proporciona uma maior exposição da oferta, o que pode trazer um volume maior de pedidos a curto prazo.

Os clientes confiam na empresa – O marketplace costuma garantir a venda aos seus clientes, fazendo com que os consumidores tenham mais confiança na hora de comprar, ainda que de um seller desconhecido. Dentro deste cenário, tudo parece bastante positivo e de fato é, se o vendedor tomar cuidado com algumas armadilhas e tentações.

 

Dannyel Filgueiras

Fundador da Epicom.

Artigos Relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

ENS e Ministério da Agricultura fazem live para lançar curso gratuito

Live no dia 7 de julho terá a participação de representantes do MAPA e especialistas em agronegócio.

Carta Fabril lança o papel higiênico premium Cotton Folha Tripla

Novidade foi desenvolvida para levar mais maciez com preço justo ao consumidor

LDZ Escola abre curso de animação digital 2D da ToonBoom Animation

Arte digital e cultura nerd beneficiam saúde e qualidade de vida.

Vendas Club traz conteúdo exclusivo para todo o Brasil

Propósito é prestar serviço para profissionais se manterem atualizados sobre o cenário de vendas.

Imóveis comerciais: segmento deve reaquecer de forma gradual

Desaquecimento por imóveis comerciais ocorreu por causa do home office imposto pelas restrições sanitárias.