Vale está segura em produzir mais minério de ferro

Meta é 400 milhões de toneladas nos próximos dois anos.

Mercado Financeiro / 22:00 - 16 de out de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A mineradora Vale afirmou que está próxima a atingir sua meta de produzir 400 milhões de toneladas de minério de ferro até o final de 2022 ou início de 2023. A declaração foi feita nesta sexta-feira pelo presidente-executivo da companhia, Eduardo Bartolomeo, durante o FT Commodities Mining Summit, conferência internacional de mineração.

Segundo o executivo, a mineradora está produzindo 1 milhão de toneladas de minério de ferro por dia. A Vale irá divulgar sua produção do terceiro trimestre nesta segunda-feira (19), após o fechamento do mercado.

A mineradora segue tentando minorar o impacto financeiro da tragédia de Brumadinho, que causou a morte de vários de seus colaboradores e pessoas do entorno da barragem. No dia 6 de outubro, o juiz Elton Pupo Nogueira, da 2ª Vara da Fazenda Estadual de Belo Horizonte, negou um pedido de bloqueio de cerca de R$ 26,7 bilhões da mineradora Vale em função dos danos causados pela tragédia de Brumadinho (MG). O pedido havia sido feito por Ministério Público Federal e de Minas Gerais, Advocacia-Geral da União (AGU) e Defensoria Pública da União e de Minas Gerais.

Os órgãos afirmam ter havido prejuízo superior a R$ 45 bilhões com o rompimento da barragem da mina do córrego do Feijão, em Brumadinho, em janeiro de 2019. A tragédia deixou 270 mortos, 11 desaparecidos e um rastro de destruição em Brumadinho. Para as instituições, as ações civis públicas que tramitam na Justiça contra a mineradora encontram-se fragilizadas por falta de garantias, motivo pelo qual o bloqueio se justificaria.

 

Opinião da justiça

 

O magistrado entendeu não haver motivos para novo bloqueio, pois a seu ver a empresa “tem cooperado ativamente e despendido esforços e recursos em dinheiro na reparação de todos os danos identificados no decorrer do processo judicial”.

A Vale “já custeou novos meios de fornecimento de água para a cidade de Pará de Minas e a Região Metropolitana de Belo Horizonte, e, acertadamente, injetou cerca de um bilhão de reais na economia da região de Brumadinho mediante correto e acertado pagamento emergencial a mais de cem mil pessoas”, disse o juiz.

Ele destacou ainda que, em janeiro de 2019, a Justiça mineira já determinou um bloqueio de R$ 11 bilhões da empresa e que ainda há valores em garantias líquidas à disposição da Justiça.

Uma audiência de conciliação entre as partes foi marcada para 22 de outubro.

 

 

 

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor