Vale o escrito?

“Os altos juros aumentam o déficit das contas públicas e cria-se um círculo vicioso. O governo aumenta os juros, para elevar a receita, mas a receita cai. Em janeiro de 1998, já houve queda de 10% em relação a janeiro de 97. É um tiro no próprio pé esse ajuste cambial recessivo, que aumenta impostos e corta gastos. E agora, a situação é ainda mais delicada, porque o governo, que previa queda de 1% do PIB, já admite 3,5%.” O diagnóstico, traçado, em 1998, no início do segundo mandato do presidente FH, e que pode ser transposto, sem grandes mudanças, para o final do governo FH, foi feito por Guido Mantega, um dos principais assessores econômicos de Luiz Inácio Lula da Silva. Sua materialização em forma de política econômica traz a boa nova de que, no novo governo, a política de juros altos será aposentada.

Jogo político
As acusações feitas pela equipe de transição da governadora eleita do Rio de Janeiro, Rosinha Matheus (PSB), não incomodam a atual governadora, Benedita da Silva (PT): “Acho que isso faz parte do jogo político. Tenho relatórios oficiais que mostram a situação em que encontrei o estado e como deixarei.” Bené reuniu-se na sexta-feira com o presidente nacional do Partido dos Trabalhadores (PT), José Dirceu, deixando claro que a transição está correndo de forma tranquila. A governadora defendeu uma boa relação entre os governos federal e estadual, já que o Rio sofre com falta de oportunidades de geração de emprego e renda. “É preciso retomar o crescimento do Rio de Janeiro”, finalizou.

Fundo
A governadora eleita do Rio, Rosinha Matheus, diz que, se o atual governo estadual não conseguir pagar o 13°, ela o fará assim que tomar posse. Para quem não tem curso de mágica, essa coluna dá uma de Mister M e revela o truque: em 2003 o Estado do Rio poderá movimentar os recursos existentes no fundo de recebíveis (iniciativa da secretário de Controle, Renê Garcia). Criado este ano, o fundo só poder ser movimentado, por lei, no ano seguinte. Mas Benedita deverá confirmar os recursos para pagar o 13° do funcionalismo ainda em 2002.

Pantomina
A última ou, segundo o mordaz julgamento de Janio de Freitas, única reunião do presidente FH com seu ministério foi, de um jeito ou de outro, emblemática. Afinal, ou ela produziu fatos decisivos para o futuro do país, ou sua desimportância, além de favorecer o caráter de convescote da efeméride, sintetizou o estilo FH de governar.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBaco
Próximo artigoLá e cá

Artigos Relacionados

É urgente a revogação da PPI

Federação do Fisco taxa PEC de Bolsonaro de eleitoreira.

Olavo de Carvalho, quem diria, já escreveu no MM

Críticas à ‘Nova Ordem Mundial’, ‘Globo’, ‘Time’ e Garotinho.

Commodities voltam a subir e ameaçam inflação

Brasil dependerá, mais que nunca, do comportamento do real frente ao dólar.

Últimas Notícias

Prazo para Apresentação do 3º Ciclo da Oferta Permanente

A Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) informou nesta quinta-feira que todas as empresas inscritas interessadas em participar do 3º Ciclo...

Governo aposta na abertura do mercado de gás natural em Rondônia

O governo acredita que a abertura do mercado de gás natural no estado de Rondônia vai potencializar a exploração de gás na bacia dos...

Faturamento da mineira Lett avançou 70% em 2021

A Lett, startup mineira especialista em Trade Marketing Digital, reportou que em apenas 12 meses, a empresa conseguiu um aumento de mais de 70%...

Relatório lista marcas chinesas como globalmente mais fortes

Várias empresas chinesas figuram entre as marcas mais fortes e de crescimento mais rápido do mundo listadas pelo relatório “Global 500 2022”, da consultoria...

Brasil quer retaliar países em disputas paralisadas na OMC

O Congresso Nacional vai analisar uma medida provisória que autoriza o Brasil a suspender concessões e até retaliar membros da Organização Mundial do Comércio...