Vale tudo

O embarque de parte da imprensa internacional na farsa do blog da “lésbica síria”, que teria sido sequestrada por tropas do presidente da Síria, Bashar Assad, traz duas lições emblemáticas sobre o paradigma que move a comunicação no mundo. Ela reafirma a distância abissal entre blogueiros e jornalistas, tendo estes por ofício apurar os fatos em lugar de circular “achismos” e boatos de Internet. Ao mesmo tempo, mostra como, para o decadente bloco homogêneo da mídia global, vale qualquer coisa quando se trata de atacar e demonizar os inimigos dos donos do mundo, inclusive, correr o risco do vexame de engolir uma “barriga” dessa monta.

Iraque II
Menos mal que o estudante (?) estadunidense que se fazia passar por uma “ativista” síria foi desmascarado antes que a história do seu “sumiço” pudesse ser usada como álibi para aprovar sanções contra a Síria ou, no limite, para justificar o envio de comandos “em defesa da democracia”, numa versão mais moderna das armas de destruição em massa do Iraque. Ao mesmo tempo, serve de pista para que se imagine a quantidade de armações similares – muitas das quais endossadas pelo cartel que controla a mídia global – para justificar ações em defesa dos interesses do império.

Fim de uma era
“É o fim dos bens baratos”. Assim The Economist inicia matéria, publicada na edição impressa do dia 9 passado, sobre a China. A afirmação é de um empresário chinês, responsável por 4% das exportações chinesas para os Estados Unidos. Ele sustenta a frase lembrando que a manufatura na Ásia passa por estágios de cerca de 30 anos, como ocorreu na Coréia do Sul. A China, fechada, abriu-se ao exterior nos final da década de 1970. Por 30 anos, ajudou o mundo a manter uma inflação baixa.
Mas esta época de abundância de mão-de-obra barata e quase nulo mercado interno acabou. Mesmo levando a produção para áreas ainda pouco industrializadas, ou Vietnã e Malásia, o fenômeno se repetirá, sustenta Bruce Rockowitz, o exportador chinês. Os preços subirão 5% ou mais por ano, prevê, lembrando que este ano a média de aumentos é de 15%.

Mais-valia
A Economist pondera, porém que há um outro lado. Fabricantes de bens tecnológicos inundaram uma recente feira em Taipei com utensílios baratos, como blocos eletrônicos (tablets) com sistema Android por US$ 100, ou portáteis similares aos MacBooks por menos de US$ 250. A revista inglesa questiona se não estamos vendo o fim de uma era – de mão-de-obra barata, mas usada de forma ineficiente – sendo substituída por novas formas de produção, com os chineses “aprendendo a fazer mais, com menos mãos”.

Antes era só de brincadeira?
“É para valer”. Foi com esta frase que o presidente da SuperVia, Carlos José Cunha, garantiu que a empresa passa por uma transformação. O objetivo é oferecer aos seus passageiros conforto, segurança e pontualidade. A empresa explora os trens urbanos do Rio de Janeiro desde 1998.

Loja digital
O faturamento do departamento de vendas online da Real Consultoria Imobiliária, que atua na Baixada Santista, passou de menos de 10% das vendas para mais de 40% de pois do uso de ferramentas de marketing digital. O diretor Francisco Lourenço Lopes Junior separa a vida de sua companhia em dois períodos: antes e depois do Google Marketing. De acordo com o presidente da agência Publiweb, Conrado Adolpho, professor da ESPM-SP e autor do livro Google Marketing, lembra que “as empresas que desejam inserir-se na Web não precisam gastar fortunas. As facilidades trazidas pela Internet devem baratear custos, e não o contrário”. Adolpho ministrará em São Paulo, nestas quinta e sexta-feiras, o curso de Capacitação e Certificação em Marketing Digital, com o objetivo de dar subsídios aos profissionais do mercado. Informações pelo telefone (19) 3255-6742.

Bolinha
“Não chegou nem a ser bolha, apenas uma bolinha de sabão.” A frase é da economista Beatriz David, sobre a disparada da inadimplência no país. Beatriz, que é professora da Uerj há muito alerta, nas páginas do MM, sobre os riscos da farra do crédito.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSe ele pode…
Próximo artigoCartão amarelo

Artigos Relacionados

R5, a nova onda dos Brics

Paulo Nogueira Batista Jr. defende impulso a uso de moedas nacionais nas relações do bloco.

SUS poderia ter salvado 338 mil norte-americanos

Assistência à saúde universal pouparia 1/3 das vidas na pandemia.

Ricaços da indústria foram poupados de perdas

Ações de empresas de tecnologia derreteram.

Últimas Notícias

Cruzeiros marítimos estão em busca do tempo perdido

O setor quer recuperar o tempo que a pandemia atrapalhou

Fundos de investimento: R$ 8 bi de captação líquida

Renda fixa foi o destaque do primeiro semestre

Petrobras faz oferta de recompra de títulos globais

Interessados têm prazo até 12 de julho

Inscrições para Prêmio de Inovação em Seguros da CNseg

Premiação acontecerá em dezembro para três categorias

Abavt apresenta propostas para Dpvat

Ministério da Economia cria grupo de trabalho para discutir solução