32.5 C
Rio de Janeiro
segunda-feira, janeiro 25, 2021

Valle Central do Chile – Parte 2

Na parte Meridional do Valle Central do Chile se encontram o Valle de Curicó e o Valle del Maule. Não tão distantes assim de Santiago, mas seguindo rumo ao sul, tendo ao lado as presenças da costa do Pacifico e dos Andes, mesmo que em configurações distintas.

O Valle de Curicó iniciou seu cultivo de uvas para vinicultura no século XIX e conta com vinhedos centenários, no entanto, está bastante associado à modernidade do vinho chileno, uma vez que foi ali que, em 1979, a consagrada vinícola catalã Torres se instalou, próximo da Cordilheira, a 200km de Santiago, com um projeto inovador, que mudou a cara do vinho chileno. O perfil climático é o mediterrâneo do Valle Central, e a região conta com amplas áreas que se estendem de oeste a leste e sofrem influencias climáticas diferenciadas nas interseções com as Cordilheiras dos Andes e da Costa.

Com solos aluviais e vulcânicos bem drenados, a região conta também com boas fontes de irrigação. Duas cepas absolutamente predominantes, uma branca e outra tinta: Sauvignon Blanc e Cabernet Sauvignon, esta com 1/3 dos vinhedos. Chama atenção os vinhos da Sauvignon Blanc plantada junto aos Andes, com frescor e acidez mais vibrante.

Logo abaixo, está o Valle del Maule, a partir de 270km sul de Santiago – o mais extenso do Chile, com aproximadamente 28 mil ha de vinhedos. A atividade vitícola é uma das mais antigas, iniciada no século XVI com a cepa País, trazida pelos espanhóis e que ainda hoje corresponde a quase 1/3 do volume produzido pela região. Trata-se tradicionalmente da região de produção de grande volume, com predomínio de vinhos mais populares, embora este perfil não se apresente como uma generalidade atualmente, desde que algumas vinícolas de prestígio e projetos inovadores ali se instalaram. A exploração com objetivos mais qualitativos inclui até a releitura da uva País.

Diferentemente das outras áreas do Valle Central, o Maule não sofre influência marítima, pois se encontra em áreas planas limitadas a leste por colinas costeiras. Seus vinhedos são mais condicionados pelas altas temperaturas do clima mediterrâneo e por ventos frios da Cordilheira dos Andes, que favorecem a amplitude térmica. Castas variadas, com destaque para a Cabernet Sauvignon, a Carmenère e a Merlot, mas a grande vedete tem sido a Carignan, que tem levado já há alguns anos enólogos de vinícolas do Maule e de outras regiões a explorarem o potencial dessa casta neste território.

Amplamente cultivada na Europa mediterrânea, a Carignan (Cariñeña na Espanha) foi resgatada no Chile na década de 1990 e ganhou a graça de vinícolas de boutique (Odfjell, De Martino, Morandé). A sua alta resistência faz com que sobreviva bem aos invernos rigorosos e verões longos e secos do Maule. De maturação muito tardia, consegue amadurecer lentamente sem ressecar e sem perder a acidez, uma vez que se nutre de água e compostos minerais das profundezas do subsolo.

A maldição da Carignan e a sua associação a vinhos de grande quantidade foi definitivamente quebrada pela aquisição de competência para trabalhá-la em alguns lugares do mundo como o Chile. Os melhores vinhedos da Carignan no Vale do Maule provêm de vinhas velhas plantadas em encostas de solos de baixa fertilidade.

Para finalizar a cobertura do Valle Central vitivinícola chilleno, listo abaixo nomes de Viñas de destaque situadas nos seus cinco vales e das uvas que dão origem à boa parte dos melhores vinhos dessas regiões.

Valle del Maipo

Principais vinícolas: Almaviva; Aquitania; Baron de Philippe Rotschild; Carmen; Clos Quebrada de Macul; Concha Y Toro; Cousino Macul; De Martino; Perez Cruz; Santa Carolina; Santa Rita; Tarapacá; Tres Palácios; Undurraga; Viñedos Chadwick.

Principais cepas: Cabernet Sauvignon, Merlot e Carmenère.

Valle de Colchagua

Principais vinícolas: Apaltagua; Bisquertt; Caliterra; Casa Lapostolle; Casa Silva; Los Vascos; Luis Felipe Edwards; Maquis; Montes, Mont Gras; Santa Cruz; Viu Manent.

Principais cepas: Carmenère, Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc, Malbec e Riesling.

Valle de Cachapoal

Principais vinícolas: Anakena; Casas del Toqui; Château Los Boldos, Clos de Luz; Torreón de Paredes.

Principais cepas: Cabernet Sauvignon, Carmenère e Merlot.

Valle de Curicó

Principais vinícolas: Bouchon Family Wines; Echeverria; J. A. Jofré; Miguel Torres; Requingua; San Pedro; Valdivieso.

Principais cepas: Cabernet Sauvignon e Sauvignon Blanc.

Valle del Maule

Principais Vinícolas: Balduzzi, Calina, Garage Wine C.O., La Reserva de Caliboro (Erasmo); Laberinto; Terranoble.

Principais cepas: País e Carignan.

 

Para saber mais sobre eventos, turmas abertas de formação em vinhos da Cafa Wine School, de Bordeaux, entre outros projetos realizados por Miriam Aguiar, visite miriamaguiar.com.br / instagram: @miriamaguiar.vinhos

Artigos Relacionados

Vinhos varietais de almas franco-alemãs

Sete são as cepas permitidas para levar o nome da AOC Alsace

Verão pede vinho branco, e os da Alsácia são imperdíveis

A região também é um dos melhores roteiros vitivinícolas do mundo.

Espumantes para torcer por um 2021 melhor

Diante do aumento de consumo de vinhos, creio que 2020 será um marco para a história do mercado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Biden retoma restrições a viajantes que cheguem do Brasil

Medida também afetará quem não é cidadão norte-americano que viaje a partir do Reino Unido e África do Sul.

Ação contra McDonald’s já beneficiou mais de 3 mil trabalhadores

Justiça reconheceu direito a maior pagamento de participação nos resultados.

Ritmo de vacinação limita alta do PIB no Brasil a 3,5%

FGV acredita em retomada desigual no mundo, com melhora mais rápida nos países desenvolvidos.

Copom está alinhado com maioria da expectativa do mercado

Considerando foco na inflação de 2022, estamos considerando agora que BC começará a aumentar Selic em maio e não em agosto.

Primeira prévia dos PMI’s e avanço da Covid-19

Bolsa brasileira sucumbe ao terceiro dia de queda, mediante aos temores fiscais.