31.6 C
Rio de Janeiro
sábado, janeiro 23, 2021

Valor médio da locação de imóvel chega a R$ 2 mil em São Paulo

Seguindo a tendência dos últimos meses, o valor médio do aluguel de um imóvel padrão (65m², dois dormitórios e uma vaga de garagem) aumentou em setembro. De acordo com o estudo imobiliário elaborado pelo portal Imovelweb, o preço de locação ficou em R$ 2 mil/mês, o que representa um aumento de 0,8% em relação ao mês de agosto. Com esse valor, a alta chega a 4,2% em 2020. Analisando os últimos 12 meses, o crescimento foi de 6%.

Nos últimos 12 meses, o bairro Vila Cunha Bueno (R$ 1.391/mês) e Parada Inglesa (R$ 2.033/mês) registraram uma valorização de 24,3%, sendo os que mais acumularam aumento no valor da locação na capital paulista. Em seguida está o Jardim D'Abril (R$ 1.327/mês), onde o aumento foi de 22,4%.

Por outro lado, as maiores desvalorizações foram registradas nos bairros Cidade Líder (R$ 1.838/mês), Cidade Jardim (R$ 4.429/mês) e Vila Santo Estéfano (R$ 1.875/mês), com quedas de 22,3%, 21,5% e 20,5%, respectivamente.

Os dados da pesquisa também apontam o crescimento no valor médio das vendas de imóveis em São Paulo. O preço médio do metro quadrado foi de R$ 6.220 em setembro, o que representa um pequeno aumento (0,3%) se comparado ao mês de agosto. Em 2020, a variação acumulada é de 1,4%, mesmo percentual de crescimento nos últimos 12 meses.

Os locais onde o metro quadrado mais se valorizou entre setembro de 2019 e setembro de 2020 foram Jardim Matarazzo (R$ 5.293/m², alta de 19,9%), Vila São José – Itaim Paulista (R$ 6.058/m², crescimento de 19,8%) e Vila Continental (R$ 6.723/m², aumento de 18,7%).

Já as maiores desvalorizações foram registradas no Parque do Carmo (R$ 3.729/m²), Jardim Marilu (R$ 3.550/m²) e Jardim Dona Sinhá (R$ 4.645/m²), com decréscimo de 19,2%, 19% e 17,2%, respectivamente.

O índice de rentabilidade imobiliária relaciona o preço de venda e valor de locação do imóvel para verificar o tempo necessário para recuperar o dinheiro utilizado na aquisição do imóvel. No relatório de setembro, o índice se manteve em 5,5%. Dessa forma, são necessários 18,1 anos para obter o valor investido no imóvel, 4,4% a menos que há um ano.

Já segundo pesquisa do instituto de pesquisa e monitoramento de mercado Hibou, com 1.537 entrevistados todo Brasil (55% mulheres e 45% homens das classes A, B e C em setembro/2020), o grau de insatisfação com a casa cresceu após o isolamento, 49% dos entrevistados está menos satisfeito com o local onde vivem, e ainda enfrentam aumento com a preocupação em condomínios, onde há áreas comuns. Segundo o levantamento, 40% acreditam que o uso das áreas comuns vai cair. As pessoas vão tentar levar suas atividades para dentro de casa. 83% disseram que os condomínios precisarão limpar e higienizar as áreas comuns com mais frequência.

A academia é a preferida dos brasileiros para continuar ativa após confinamento. 71% querem usar. Apenas 41% acha que o playground deve continuar a ser usado e 27% ainda pensam em usar a lavanderia coletiva.

Obrigados a ficar em casa, 57% dos brasileiros redescobriram a sala de estar e 36% o próprio trabalho remoto. "Espaços confortáveis hoje estão no topo do desejo dos brasileiros para suas casas". Aliás, o home office ganha lugar de destaque, já que 57% pretendem continuar trabalhando em casa. Nessa toada, 59% acha que é melhor manter esse espaço de trabalho, mesmo quando puderem voltar a trabalhar fora. Vale comentar que 61% consideraria trabalhar em um escritório que ficasse no seu condomínio residencial, evitando assim deslocamentos desnecessários", explica Ligia Mello, sócia da Hibou e coordenadora da pesquisa, que também apontou que 41% dos brasileiros querem manter a cozinha como ponto de encontro para momentos em família. 44% querem continuar acompanhando lives na internet. A internet, aliás, é prioridade, e a casa conectada está nos planos dos brasileiros: 41% gostaria que os imóveis já viessem com fornecimento de internet de alta capacidade e 30% acreditam que eletrodomésticos integrados já são um caminho sem volta.

Para futuros lares, o olhar do brasileiro está focado nos novos hábitos de higiene com alimentos. 81% concordam que a área de serviço precisa ser maior para os devidos cuidados com os alimentos que chegam da rua, e 66% hoje não têm espaço suficiente para guardar produtos de limpeza. Cozinha integrada com a sala continua interessando 45% acreditam que isso favorece um ambiente único para toda a família, mas 78% considera que ela merece um olhar especial para ventilação e exaustão.

Artigos Relacionados

Justiça autoriza investigação contra deputado por assédio sexual em SP

Em dezembro, deputada prestou queixa contra Fernando Cury por ter sido apalpada pelo colega, cena foi registrada pelas câmeras do plenário da Alesp.

Fiesp: Doria aumenta impostos e descumpre palavra

Para advogado, ajuste fiscal pode ser questionado na Justiça, já que suas regras foram aplicadas por decreto.

Medicamentos oncológicos aumentam em SP com fim da isenção de ICMS

Para tratamento do câncer de mama, como o Letrozol e o Tamoxifeno, por exemplo, terão preços majorados em 13,64% nas farmácias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Copom está alinhado com maioria da expectativa do mercado

Considerando foco na inflação de 2022, estamos considerando agora que BC começará a aumentar Selic em maio e não em agosto.

Primeira prévia dos PMI’s e avanço da Covid-19

Bolsa brasileira sucumbe ao terceiro dia de queda, mediante aos temores fiscais.

Exterior em baixa

Queda acontece em meio às preocupações com problemas para obtenções de vacinas.

Más notícias persistem

Petróleo negociado em NY mostrava queda de 2,60% (afetando a Petrobras), com o barril cotado a US$ 51,75.

Mercado reagirá ao Copom e problemas internos

Na Europa, Londres teve alta de 0,41%. Frankfurt teve elevação de 0,77%. Paris teve ganhos de 0,53%.