Valorização

A atual cotação do dólar (em torno de R$ 3,60) está cerca de 20% acima da média histórica dos últimos 50 anos, calcula o economista-chefe do BicBanco, Luiz Rabi, utilizando como base a série histórica da taxa real de câmbio (taxa nominal corrigida pelo diferencial de preços no atacado do Brasil e dos EUA). Rabi acha que isto se corrige através de dois mecanismos “não necessariamente excludentes”: ou cai a taxa de câmbio nominal ou ajuste-se pelo diferencial de inflação. “Como a inflação no atacado brasileira é maior que a dos EUA, é mais provável que o ajuste via inflação predomine. Isto não quer dizer que o câmbio nominal não possa cair, mas significa dizer que enquanto o diferencial entre a inflação interna e externa for significativo, o espaço que a taxa de câmbio nominal tem para cair sem prejudicar o desempenho da balança comercial é pequeno”, conclui.

Pleno emprego
O jornalista J. Carlos de Assis, membro do Conselho Editorial do MONITOR MERCANTIL, lança Trabalho como Direito: Fundamentos para uma Política de Promoção do Pleno-Emprego no Brasil, no próximo dia 17, uma terça-feira, no Rio de Janeiro. Será no agradável quiosque Árabe da Lagoa (perto do Parque dos Patins), com direito a música ao vivo e estacionamento. Junto com o livro de Assis serão lançados, todos pelas Contraponto Editora, A Lógica do Capital-Informação: A Fragmentação dos Monopólios e a Monopolização dos Fragmentos num Mundo de Comunicações Globais, de Marcos Dantas, e O Brasil e a Abertura dos Mercados: O Trabalho em Questão, de Ivan da Costa Marques.

Lupa
A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) deverá receber, na próxima semana, amplo relatório referente ao trabalho de escritórios especializados em auditoria contábil. Centenas de relatórios de auditores passaram por uma revisão. A decisão de realizar os exames surgiu depois dos inúmeros casos, no exterior e no Brasil, de divulgação de informações deturpadas sobre a situação da contabilidade de inúmeras empresas.

Blecaute
Como essa coluna antecipou no dia 23 passado, os funcionários da Light entraram em greve. Apesar de ter tido aumento de tarifas de 17,11% em novembro, oferece para os empregados reposição de 5% e nem quer pensar em estabilidade no emprego. O temor é de demissão de 15% dos empregados. Ou seja, mesmo após o parco aumento salarial, a folha cairia mais de 10%. Preocupados, deputados e governo do Rio – atual e futuro – querem a atuação da Aneel, agência que deveria fiscalizar o setor.

Fogo
Aproveitando a divulgação de pesquisa feita pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) sobre percepção da violência, alguns setores da mídia estão defendendo a proibição de posse de armas de fogo por pessoas de bem. Mal comparando, seria, após resultado positivo de pesquisa sobre temor de banhistas serem mordidos por tubarões nas praias de Pernambuco, algum apressado propor a eliminação de todos os seláquios. O número de armas ilegais em circulação no Brasil é estimado em cerca de 12 vezes maior que as legais. Números mais precisos no artigo do professor Marcos Coimbra, aqui ao lado.

Critérios
O BNDES que exige a reestruturação da Varig como condição prévia para liberar um empréstimo para ajudar a viabilizar a empresa é o mesmo banco que, sem nenhuma condição – pelo menos conhecida publicamente -, colocou R$ 450 milhões na Klabin, depois que a empresa deixou de honrar o pagamento de papéis no mercado externo?

Critérios II
Também sem nenhuma condição, o BNDES deve liberar US$ 300 milhões para a El Paso Brasil, empresa cuja matriz nos Estados Unidos é processada pelo Estado da Califórnia, que a acusa de reduzir deliberadamente o fornecimento de gás durante a crise de desabastecimento de energia em 200 e 2001. Coincidência ou não, o valor é igual ao total das duas parcelas – de US$ 75 milhões e US$ 225 milhões – do financiamento que a companhia diz que receberá do Internacional Finance Corporation (IFC), braço financeiro do Banco Mundial (Bird). Se se trata de contrapartida, o BNDES deve explicar por que não garante tratamento idêntico para empresas nacionais.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorOutro paradigma
Próximo artigoBlecaute virtual

Artigos Relacionados

Brics+ será gigante em alimentos e energia

Bloco ampliado desafia EUA rumo a nova ordem mundial.

Para combater Putin, adeus livre mercado

Teto para preço do petróleo é nova sanção desesperada do G7.

Inflação engorda lucros de bilionários de energia e alimentos

Fortunas dos ricaços desses 2 setores aumentaram US$ 1 bilhão a cada 2 dias desde 2020.

Últimas Notícias

Setor de energia é um dos alvos preferidos de hackers

Mais de 60% de todos os ataques foram de phishing; organizações criminosas de hackers são ameaça às infraestruturas críticas do Brasil.

Países árabes planejam expansão de energia limpa

Omã, Marrocos, Argélia e Kuwait estão entre os que têm planos mais ambiciosos.

‘Governo não apenas poderia, como deveria intervir na Petrobras’

Para especialista, Governo Federal deveria estar mais atuante para combater os preços abusivos dos combustíveis em toda a cadeia.

Exterior cauteloso pode prejudicar negócios locais

Índices futuros acionários em Nova Iorque operam em queda significante: temores relacionados a uma possível recessão nos EUA.

Marrocos quer se desenvolver como polo de tecnologia

Setor digital emprega 120 mil pessoas no país; país tem investido em acordos e memorandos para aumentar investimento na área.