Vapt-vupt

O salto de 13,6% no desemprego aberto no primeiro semestre – de 6,3% no mesmo período de 2001 para 7,3% – pode não revelar toda a extensão dessa chaga social. Por orientação da Organização Internacional do Trabalho (OIT), o IBGE passou a considerar ocupado aqueles que uma semana antes da pesquisa trabalharam pelo menos uma hora semanal. Antes, o tempo mínimo considerado era de 12 horas de ocupação semanal.
O desemprego aberto, medido pelo IBGE, não considera o desalento (pessoas que desistiram de procurar emprego) nem quem tem ocupação temporária. Somados os três critérios, tem-se o desemprego efetivo, que beira cerca de 20% da população economicamente ativa (PEA) ou aproximadamente 15 milhões de brasileiros.

Neonanico
A prosseguir a queda livre de José Serra na preferência do eleitorado, em breve o tucano estará disputando, não o terceiro lugar com Garotinho, mas defendendo a quarta posição das investidas de José Maria (PSTU) e Rui Pimenta (PCO).

Queda
A julgar pelas pesquisas, a presença de José Alencar (PL) como candidato a vice na chapa de Lula não se refletiu em votos. Talvez até o contrário: junto com o discurso para acalmar os mercados, adotado pelo candidato petista, pode ter sido um dos motivos que levaram a bandeira de oposicionista para Ciro Gomes. Lula já adotou novo discurso.

Amnésia tucana
Mesmo antes de decidir a dúvida esquizofrênica entre ser o candidato do continuísmo ou fingir que é oposição, José Serra deveria tomar certas cautelas ao criticar o discurso dos adversários. Por exemplo, ao chamar de demagógica e irresponsável a proposta dos adversários de elevar o salário mínimo, Serra deveria ser lembrado por algum assessor de que, se promessa de candidato fosse coisa séria, o mínimo hoje deveria estar em cerca de R$ 300 ou US$ 100. Palavra do candidato FH em sua primeira campanha. À época, Serra não achou de taxar a proposta nem de demagógica nem de irresponsável.

Cabo Canaveral
Fica fácil para Serra dizer que vai construir mais moradias que FH. Difícil seria bater o número de planos habitacionais lançados pelo atual presidente e que nunca saíram do papel.

Preço
Estudo do LatinPanel, empresa dos grupos Ibope, Taylor Nelson Sofres e NDP, aponta que 92% dos consumidores escolhem os produtos que compram de acordo com o preço. A marca, de acordo com a pesquisa, agora é o segundo motivo de compra, com 86%. Os dados parecem refletir, além da óbvia queda do poder aquisitivo, a redução nas verbas de publicidade, diminuindo o poder das marcas. Por outro lado, atividades promocionais, que cresceram, têm pouca influência nas compras: os itens brinde e tipo de embalagem são os que menos influenciam na hora da compra da classe A/B, com 13% e 11%, respectivamente.
Os lares de classes com menor poder aquisitivo, D/E, são os que menos dão importância para a marca, com 80%. E é também a classe D/E que menos se preocupa com o tipo de promoção de preço, com 39%. Já a classe A/B coloca a marca e o preço como quesitos primordiais para a escolha de um produto, também com 92% do total de domicílios pesquisados.

Promoção
Os consumidores das regiões da Grande Rio de Janeiro (66%), Grande São Paulo (61%) e interior de São Paulo (56%) são as que mais consultam os folhetos de promoção dos supermercados. Já as regiões Norte e Nordeste, com 31%, são as que menos utilizam essa ferramenta de marketing. Mas para 58% dos domicílios, a promoção preferida ainda é o tradicional desconto de preço. A que vem menos agradando, com 15%, são os sorteios, concursos e cupons. O estudo foi realizado através de um questionário em setembro de 2001 em 6 mil lares que pertencem à amostra do Painel de Domicílios, levantamento regular da LatinPanel sobre produtos de consumo de massa. Esse é o segundo ano em que a pesquisa é realizada. A sondagem representa 68% da população e 77% do potencial de consumo do país.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAnexação
Próximo artigoMultipolaridade

Artigos Relacionados

Engie valerá R$ 2,5 bi a mais após acordo com Aneel

Semana passada, o Monitor noticiou que a proposta da Aneel de repactuação do risco hidrológico (GSF) deixaria a conta a ser paga pelo pequeno...

Apelo de Biden ao multilateralismo fica sem crédito

Na ONU, presidente dos EUA desmente mundo dividido em blocos rígidos.

Fintechs e bancos disputam quem cobra mais

‘Não temos vergonha de sermos bancos’, diz Febraban; mas deveriam.

Últimas Notícias

Indústria da hipertensão e diagnóstico por imagem movimentará R$ 22 bi

Foram realizados cerca de 55,6 milhões de procedimentos ambulatoriais e hospitalares.

Receita apreende mercadorias piratas avaliadas em R$ 1 milhão

Foram apreendidos na operação 170 volumes de mercadorias englobando videogames e acessórios, roteadores, entre outros.

Prorrogada a CPI dos royalties do Rio por 30 dias

Prorrogação do prazo se deve à complexidade da matéria e aos vários documentos requisitados que ainda estão sendo recebidos pela comissão.

Governo dos EUA se prepara para paralisação na semana que vem

Em outra frente de luta, líder democrata Nancy Pelosi anuncia acordo sobre pacote de Biden.

Alimentos são direito, não mercadoria, diz ONU

Três bilhões de pessoas não podem pagar uma dieta saudável.