Varejistas brasileiras estão entre as 250 maiores do mundo

A pesquisa “Os Poderosos do Varejo Global 2021”, elaborada pela Deloitte, maior organização de serviços profissionais do mundo, analisa o desempenho do setor de varejo em diferentes regiões e identificou as 250 maiores empresas globais, com base em dados do ano fiscal de 2019, encerrado em 30 de junho do ano passado.

O relatório mostrou que a receita gerada pelas empresas presentes no ranking foi de US$ 4,85 trilhões no ano fiscal de 2019, representando um crescimento de 4,4%, em relação ao ano anterior. No Brasil, quatro redes varejistas ficaram entre as 250 maiores do mundo: Via Varejo (168ª posição), Magazine Luiza (209ª), Lojas Americanas (222ª) e Raia Drogasil (223ª). A receita gerada pelas empresas brasileiras foi de US$ 5,22 milhões no ano fiscal de 2019 e a Magazine Luiza e a Raia Drogasil, tiveram um crescimento de 27,5% e 18,5%, respectivamente.

“Mais uma vez o Brasil marca presença no ranking com quatro grandes varejistas e duas delas apresentaram um bom crescimento, impulsionadas, principalmente, pela rápida expansão das lojas, além do desenvolvimento de e-commerce e aquisição de outras marcas. Esse aumento, principalmente em tempos de crise, mostra o quanto é importante as empresas se planejarem e estarem preparadas para novos e imprevisíveis rumos. O que esperamos é que 2021 e os próximos anos, com as medidas que já estão sendo tomadas para conter a pandemia, sejam de ascensão contínua para a economia.”, estima Ricardo Balkins, sócio-líder de Consumer da Deloitte.

Varejo dos EUA

Os varejistas dos Estados Unidos contribuíram com quase metade da receita total do ranking de 250 empresas em 2019, e tiveram a maior receita média de varejo, US$ 28,6 bilhões, que é muito superior à média global, que é de US$ 19,4 bilhões. No ranking da pesquisa, Walmart, Amazon e Costco ocupam as primeiras posições no Top 10. O Walmart, inclusive, aparece em 1ª lugar por mais um ano, mantendo sua posição de maior varejista do mundo há mais de dez anos.

A receita mínima para uma empresa entrar no Top 250 no ranking é de US$ 4 bilhões, acima dos US$ 3,9 bilhões do ano anterior, com um tamanho médio da empresa de US$ 19,4 bilhões. E com o maior número de varejistas (135) na lista Top 250, o setor de produtos de bens de consumo gerou 66% da receita do varejo em 2019. Essas empresas possuem a maior receita média do varejo (US$ 23,7 bilhões), porém este é um setor de baixa margem, com a menor margem de lucro líquido de todos os setores (2%).

“O e-commerce e os descontos impulsionaram o alto crescimento da receita no varejo”, afirma Evan Sheehan, líder do Setor de Varejo Global, Atacado & Distribuição da Deloitte. “Cinco das dez empresas do ramo que mais cresceram eram varejistas online e sete das 20 empresas que mais cresceram eram varejistas de descontos.”

A 24ª edição da pesquisa Global Powers of Retailing foi realizada com 250 empresas, incluídas com base na receita de varejo para o ano fiscal de 2019 (abrangendo os exercícios fiscais das empresas até junho de 2020). O estudo analisa o desempenho entre as geografias e setores de produtos das empresas, além de apresentar uma perspectiva econômica global, destacar as 50 varejistas que mais crescem e as novas entrantes no Top 250.

Artigos Relacionados

Filmes Zana e Trópico Fantasma entram no catálogo da Supo Mungam Plus

Na rede social Letterboxd, focada em filmes, é possível seguir a plataforma através da conta Supo Mungam Plus ou no link: https://letterboxd.com/supomungamplus.

Espírito de Chá lança kits inspirados no Rio

Empresa montou kits com os blends Mar, Montanha, Floresta e Cidade.

Invólucro 100% vegano para os embutidos já é realidade

Frigozan lança tripa para fabricação de embutidos à base de vegetais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Estado do Rio registra 68,8 mil novos MEIs

Alimentação fora do lar foi o segmento com mais abertura de empresas, com 10,4 mil novos microempreendedores.

Volume de vendas do varejo restrito regrediu em março

'Recuo foi acima do esperado por nós (-3,4%) e pelo mercado (-5,1%)', diz Felipe Sichel.

Quase 80% não trabalham totalmente remoto na pandemia

Segundo levantamento sobre adaptação ao modelo de teletrabalho, 49,7% dos entrevistados estiveram na empresa semanalmente.

Tunísia pretende exportar 80 mil toneladas de frutas

País produz pêssegos, nectarinas, damasco, ameixa e estima aumento de 7% na safra de frutas em 2021; grandes importadores são Líbia, França e Itália.

Rio acaba com toque de recolher

Novas medidas têm validade até o dia 20 de maio; medidas podem ser revistas.