Varejo de material de construção cresce mesmo com pandemia

O setor de varejo de material de construção foi um dos que menos sentiram os impactos da crise gerada pela pandemia do Coronavírus. O crescimento de faturamento do setor em 2020 em comparação ao ano de 2019 foi de 11%, atingindo o valor de R$ 150,55 bilhões segundo a FGV /IBRE.

Destaque no período foram das lojas das redes associadas à Federação Brasileira de Redes Associativistas de Materiais de Construção (Febramat), que cresceram 22,8% no mesmo período e no primeiro trimestre de 2021 já apresentou um incremento de 30,5%.

“Mesmo depois de um início de pandemia assustador, no qual as lojas tiveram que fechar as portas, com a abertura gradual o que se observou foi uma rápida retomada nas vendas, apresentando um crescimento maior do que nos últimos anos. Isso ocorreu por diversos fatores, dentre os quais o fato de as pessoas ficarem em casa e olharem mais para as necessidades de reformas”, analisa o presidente da Febramat, Paulo Roberto dos Santos Machado.

Mesmo com o crescimento, o setor teve grandes desafios no período, segundo o presidente, dentre os quais se destacam a necessidade de adequar o atendimento às regras sanitárias e a falta de produtos que ocorreu no período, devido à alta demanda e baixa oferta.

As projeções para este ano são também bastante positivas, com as expectativas de que as lojas da Febramat saltem de um faturamento de R﹩3,8 bilhões em 2020 para uma projeção de R﹩ 4,2 bilhões em 2021. Já a projeção de crescimento em compras para 2021 é de 39,5%.

Além do aumento na procura de produtos, outros fatores que são determinantes para o sucesso da Febramat e a gestão profissional das lojas e o crescimento de números de redes associadas e consequentemente estabelecimentos. Atualmente são 28 redes associadas e as projeções são para fechar o ano com 32, o que representaria um salto de 845 lojas para 1.204 até o momento.

“Esses resultados mostram a força do associativismo que praticamos desde 2018, que possibilita às redes associadas mais do que ótimas condições comerciais. Focamos também na gestão das lojas, possibilitando que essas estejam mais preparadas para concorrer de igual com grandes redes do setor, assim o resultado não poderia ser outro que não fosse o sucesso”, finaliza o presidente da Febramat.

Atualmente, a Federação Brasileira de Redes Associativistas de Materiais de Construção (Febramat) é a principal representante do associativismo no setor, tendo representantes com atuação em 19 Estados e no Distrito Federal, com mais de 1.000 lojas. No modelo, apesar de atuação conjuntas em pontos como compra de produtos e aquisição de ferramentas e tecnologia, as gestões das lojas continuam independentes.

Leia também:

Após dois meses de queda, confiança volta a ter resultados positivos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Cruzeiros marítimos estão em busca do tempo perdido

O setor quer recuperar o tempo que a pandemia atrapalhou

Cesta básica aumentou em nove capitais

São Paulo foi a capital em que os alimentos básicos apresentaram o maior custo: R$ 777,01

Trabalhador gasta R$ 40,64 em média para almoçar fora de casa

Nacionalmente, valor desembolsado ficou 17,4% maior que o apurado em 2019, no período antes da pandemia.

Últimas Notícias

Cruzeiros marítimos estão em busca do tempo perdido

O setor quer recuperar o tempo que a pandemia atrapalhou

Fundos de investimento: R$ 8 bi de captação líquida

Renda fixa foi o destaque do primeiro semestre

Petrobras faz oferta de recompra de títulos globais

Interessados têm prazo até 12 de julho

Inscrições para Prêmio de Inovação em Seguros da CNseg

Premiação acontecerá em dezembro para três categorias

Abavt apresenta propostas para Dpvat

Ministério da Economia cria grupo de trabalho para discutir solução