Varejo: inadimplência teve alta de 7,4% no primeiro trimestre

Levantamento refere-se às compras realizadas por consumidores no crediário em janeiro, fevereiro e março e que estão atrasadas de 61 a 90 dias.

A inadimplência do crediário no varejo de moda registrou aumento de 7,4% no primeiro trimestre de 2021 em relação ao mesmo período do ano passado. Os dados são do Índice Meu Crediário, pesquisa que mede os níveis de inadimplência junto a cerca de 200 varejistas do país. De acordo com o levantamento, durante o período neste ano as lojas tinham a receber R$ 40,6 milhões e desse montante R$ 3,4 milhões (8,59%) foram pagos com atraso.

O índice de inadimplência do primeiro trimestre refere-se às compras realizadas pelos consumidores em janeiro, fevereiro e março e que estão atrasadas entre 61 e 90 dias. Após 90 dias, o cliente já é considerado inadimplente pelos órgãos de proteção de crédito. O levantamento tem nível de confiança de 95%.

O crediário próprio ganhou muito espaço em 2020 e continua com forte demanda em 2021. No primeiro trimestre deste ano, o Meu Crediário analisou um volume de crédito de R$ 47,6 milhões, um aumento de 54% na comparação com o ano passado, cujo valor foi de R$ 31 milhões.

Cerca de 30% da população brasileira está inadimplente e, por isso, enfrenta dificuldades de acesso ao crédito. Em números, o problema atinge 62,56 milhões de consumidores, que somam R$ 249,6 bilhões em dívidas, uma média de quase R$ 4 mil por pessoa, valor superior ao salário mínimo de R$ 1.100. Os dados são da pesquisa “Mapa da Inadimplência no Brasil”, divulgada em julho deste ano pela Serasa.

A situação reflete a crise econômica vivida pelo país, que acompanha as altas da inflação e do desemprego, fatores que interferem diretamente na redução de renda das famílias. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a inflação dos últimos 12 meses – intervalo de junho de 2020 a junho de 2021 – é de 8,59%, já o total de desempregados é de 14,8 milhões.

Sem renda e com restrição ao crédito, os consumidores deixam de comprar, o que torna mais difícil a retomada econômica. Por isso, empresas e bancos criaram a solução do cartão de crédito para negativado com limite. Uma das opções disponíveis no mercado é o cartão pré-pago, em que o próprio cliente informa o valor do limite por meio de recargas. Vale ressaltar que a modalidade cobra taxas para adesão, saque, mensalidade e recarga. Por isso, é preciso avaliar se vale a pena adquiri-la no momento.

Outra alternativa é o cartão de crédito consignado, oferecido por instituições financeiras a um público direcionado como funcionários públicos, trabalhadores com carteira assinada, aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). O limite é autorizado de acordo com a renda do solicitante.

Há, ainda, os cartões de crédito oferecidos por lojas, que possibilitam o maior prazo para o pagamento e o desconto em produtos do estabelecimento. Para ter acesso a qualquer uma dessas modalidades, é necessário pesquisar quem as oferece e em quais condições, mantendo atenção especial, sobretudo, à taxa de juros para evitar mais problemas financeiros.

A recomendação dos especialistas é que os negativados sempre busquem formas de solucionar o problema. O primeiro passo é compreender a diferença entre endividamento e inadimplência, conforme explica a Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin).

Outra dica da Abefin é, no primeiro momento, priorizar as dívidas com taxas de juros mais altas, como cartão de crédito e cheque especial.

Leia também:

São Paulo apresenta a relação renda/gasto mais negativa do país

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Brasil tenta ampliar diálogo com a UE

Debate da recuperação econômica nas duas regiões e discussão sobre as perspectivas das políticas fiscais

Feninfra questiona no STF a implantação do Código 303

Feninfra: medida vai afetar também as empresas que estão fora da fiscalização da Anatel.

Enel pode sofrer CPI por péssimos serviços prestados

Empresários criticam desde a oscilação de tensão até a falta de poda de árvores.

Últimas Notícias

Câmara deve colocar em votação PL que desonera tarifas de energia

Em 2021, o Brasil passou pela pior crise hídrica em mais de 90 anos

Metodologia para participação de investidor estrangeiro

Serão considerados os dados de liquidação das operações realizadas no mercado primário nos sistemas da B3

Fitch eleva rating do Banco Sicoob para AA (bra)

Houve melhora do perfil de negócios e de risco da instituição

Petrobras Conexões para Inovação cria robô de combate a incêndio

Estatal: Primeiro no mundo adaptado para a indústria de óleo e gás

Brasil tenta ampliar diálogo com a UE

Debate da recuperação econômica nas duas regiões e discussão sobre as perspectivas das políticas fiscais