Varejo, petrolíferas e bancos puxam Ibovespa

Siderúrgicas e Vale ficam na contramão do mercado

O Ibovespa se firmou em viés positivo nesta sexta-feira, acima dos 106 mil pontos e acumulando ganhos de mais de 3% nos últimos cinco pregões. Segundo o economista Alexsandro Nishimura, head de conteúdo e sócio da BRA, o mercado brasileiro mostrou resiliência ao desempenho dos índices de Nova York, que reagiram aos dados de vendas no varejo aquém do previsto e ao início da temporada de balanços.

Antes da abertura, BlackRock, Citigroup, JPMorgan Chase e Wells Fargo reportaram resultados mistos.

Por aqui, o volume de vendas do comércio varejista em novembro cresceu 0,6%, na série com ajuste sazonal, após variar 0,2% em outubro. Os dados foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE).

“As vendas no varejo surpreenderam positivamente, ao subirem 0,6% em novembro na comparação mensal, ante expectativa de estabilidade. O indicador foi impulsionado pelos números de supermercados, ainda que com impacto mais fraco da Black Friday”, explicou.

Apesar da notícia positiva, cinco das oito atividades tiveram taxas negativas: móveis e eletrodomésticos (menos 2,3%), tecidos, vestuário e calçados (menos 1,9%), combustíveis e lubrificantes (menos 1,4%), livros, jornais, revistas e papelaria (menos 1,4%) e equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (menos 0,1%).

Por outro lado, houve crescimento em hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (0,9%), artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (1,2%) e outros artigos de uso pessoal e doméstico (2,2%). O varejo acumula alta de 1,9% até novembro e nos últimos 12 meses, também até novembro, cresceu 1,9%.

O economista diz que os ativos das petrolíferas e dos bancos deram fôlego ao benchmark da bolsa brasileira nesta sexta-feira, enquanto Vale e siderúrgicas andam na contramão do mercado, ainda impactadas pelas chuvas em Minas Gerais e por mais uma queda do minério de ferro na China.

“O recuo da commodity reflete a conclusão do reabastecimento da matéria-prima nas siderúrgicas chinesas. Além disso, o mercado especula se as restrições à produção de aço serão reforçadas durante as Olimpíadas de Inverno”, analisa o economista.

Ele cita que um dos destaques positivos na sessão foi a BRMalls, após o conselho administrativo da empresa recusar, de forma unânime, a proposta da Aliansce Sonae para fusão de negócios. O conselho da BRMalls avaliou que a companhia foi subavaliada.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Eletrobras anuncia lucro de R$ 2,7 bi no primeiro trimestre

Resultado foi gerado por redução de custos e contratos bilaterais; comissão da Câmara discute impacto da privatização.

Brasil deverá atingir 12,5% da produção mundial de algodão até 2030

Segundo o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, em março, as cotações da commodity subiram em 5,41%.

TSE autoriza ‘vaquinha virtual’ para financiar candidaturas

Eleitores agora podem contribuir com os seus candidatos.

Últimas Notícias

Embrapa poderá abrir unidade no Marrocos

Presidente da empresa discutiu o assunto em viagem ao país, onde participou de missão do Ministério da Agricultura.

Comércio torce pelo frio para aumentar vendas

Pesquisa do CDL-Rio e do Sindilojas-Rio mostra que, com queda de temperatura, 80% dos lojistas esperam aumento nas vendas.

Em 2021, 5 mil pessoas morreram em 64 mil acidentes de carro

Anuário da PRF mostra interrupção de quedas observadas desde 2011.

Eletrobras anuncia lucro de R$ 2,7 bi no primeiro trimestre

Resultado foi gerado por redução de custos e contratos bilaterais; comissão da Câmara discute impacto da privatização.

Brasil deverá atingir 12,5% da produção mundial de algodão até 2030

Segundo o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, em março, as cotações da commodity subiram em 5,41%.