VARIG

BNDES não financiará Tanure
Grupo não pode receber financiamento por possuir débitos anteriores com o banco
O empréstimo concedido para a Aero-LB, sociedade liderada pela TAP, não será transferido para o grupo Docas, do empresário Nelson Tanure, segundo informou o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social (BNDES), Guido Mantega, acrescentando que o grupo não poderá receber financiamento do banco por possuir débitos anteriores com instituição.
O acordo envolve, assim, apenas o empresário e a Fundação Rubem Berta Par, já que a proposta foi apresentada à controladora da companhia aérea, os credores da Varig não terão direito a opinar sobre a oferta. De acordo com a consultoria Deloitte, administradora judicial da Varig, os credores só poderão interferir de maneira indireta, caso o novo controlador da FRB-Par altere os planos apresentados para evitar a falência da Varig.
A Fundação Ruben Berta controla 87% da Varig e recebeu na última segunda-feira (12) proposta de compra pela Varig, VarigLog (transporte de cargas) e VEM (engenharia e manutenção), pelo empresário Nelson Tanure. As subsidiárias foram vendidas em novembro para a Aero-LB por US$ 62 milhões, com o BNDES financiando dois terços do total.
Pelo acordo anterior, a TAP deveria cobrir possíveis ofertas maiores que fossem apresentadas para ficar com a VarigLog e VEM, e tem agora até o próximo dia 19 para decidir se cobrirá ou não a proposta de Tanure. Mas Mantega destacou que caso a TAP aceite a proposta, terá que arcar com os dois terços que foram financiados pelo BNDES, realizando um pré-pagamento para a o banco.
O vice-presidente da República e ministro da Defesa, José Alencar, também anunciou que haverá recursos da União na oferta do empresário Nelson Tanure. “Nós gostaríamos que a Varig voltasse a ser uma companhia prestando serviços à aviação civil, mas o governo não pode se meter nisso. Não existe nada de recursos estatais nesse processo”, disse Alencar.
“As negociações são feitas por quem está comprando e por quem está vendendo. Nós não estamos comprando nem vendendo nada”, enfatizou o vice.

Artigo anteriorReescrever o passado
Próximo artigoTeratologia
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Taxa de carbono vai custar quase € 800 mi à Turquia

Os exportadores turcos de produtos com alto consumo de energia, como cimento, aço e alumínio, poderão enfrentar custos adicionais exorbitantes quando as propostas legislativas...

Sonho da casa própria fica mais distante

Contratação de moradias com recursos do FGTS cai ano após ano.

Moeda chinesa na mira dos bancos centrais

Participação como reserva internacional ainda é baixa… por enquanto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Mercado de TI é alavancado pela pandemia

Tetris IT, empresa que desenvolve projetos de inovação digital, cresceu 300% em 2020.

Ações da ClearSale valorizam mais de 20% na estreia na B3

A ClearSale (ticker CLSA3) concluiu nesta sexta-feira a sua oferta pública inicial (IPO) na B3. A oferta movimentou R$ 1,3 bilhão sendo que, apenas...

Edital da Oferta Permanente inclui 377 blocos

A Agência Nacional de Petróleo e Gás Natural (ANP) publicou nesta sexta-feira nova versão do edital da Oferta Permanente, com a inclusão de 377...

Multa de R$ 500 mil para ‘fake’ sobre eleição

Uma multa de R$ 500 mil, caso repita as manifestações que questionem os últimos pleitos presidenciais realizados no país, faz parte uma ação que...

Bacia de Campos recua com redução drástica de investimentos

A Bacia de Campos, atualmente a segunda maior região produtora de petróleo do Brasil, registrou em junho a sua menor produção média dos últimos...