VARIG

BNDES não financiará Tanure
Grupo não pode receber financiamento por possuir débitos anteriores com o banco
O empréstimo concedido para a Aero-LB, sociedade liderada pela TAP, não será transferido para o grupo Docas, do empresário Nelson Tanure, segundo informou o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social (BNDES), Guido Mantega, acrescentando que o grupo não poderá receber financiamento do banco por possuir débitos anteriores com instituição.
O acordo envolve, assim, apenas o empresário e a Fundação Rubem Berta Par, já que a proposta foi apresentada à controladora da companhia aérea, os credores da Varig não terão direito a opinar sobre a oferta. De acordo com a consultoria Deloitte, administradora judicial da Varig, os credores só poderão interferir de maneira indireta, caso o novo controlador da FRB-Par altere os planos apresentados para evitar a falência da Varig.
A Fundação Ruben Berta controla 87% da Varig e recebeu na última segunda-feira (12) proposta de compra pela Varig, VarigLog (transporte de cargas) e VEM (engenharia e manutenção), pelo empresário Nelson Tanure. As subsidiárias foram vendidas em novembro para a Aero-LB por US$ 62 milhões, com o BNDES financiando dois terços do total.
Pelo acordo anterior, a TAP deveria cobrir possíveis ofertas maiores que fossem apresentadas para ficar com a VarigLog e VEM, e tem agora até o próximo dia 19 para decidir se cobrirá ou não a proposta de Tanure. Mas Mantega destacou que caso a TAP aceite a proposta, terá que arcar com os dois terços que foram financiados pelo BNDES, realizando um pré-pagamento para a o banco.
O vice-presidente da República e ministro da Defesa, José Alencar, também anunciou que haverá recursos da União na oferta do empresário Nelson Tanure. “Nós gostaríamos que a Varig voltasse a ser uma companhia prestando serviços à aviação civil, mas o governo não pode se meter nisso. Não existe nada de recursos estatais nesse processo”, disse Alencar.
“As negociações são feitas por quem está comprando e por quem está vendendo. Nós não estamos comprando nem vendendo nada”, enfatizou o vice.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorReescrever o passado
Próximo artigoTeratologia

Artigos Relacionados

Brics+ será gigante em alimentos e energia

Bloco ampliado desafia EUA rumo a nova ordem mundial.

Para combater Putin, adeus livre mercado

Teto para preço do petróleo é nova sanção desesperada do G7.

Inflação engorda lucros de bilionários de energia e alimentos

Fortunas dos ricaços desses 2 setores aumentaram US$ 1 bilhão a cada 2 dias desde 2020.

Últimas Notícias

Acusações de palhaça e possível ação da CVM fazem ação da TC desabar

Papéis chegaram a recuar mais de 25% no pregão desta quinta-feira.

Aqui, na terra, a coisa está preta

Por Paulo Alonso.

Setor público registrou superavit de R$ 358 bi em 2021

O setor público brasileiro registrou um superavit orçamentário de R$ 358 bilhões em 2021, resultado que deriva dos cerca de R$ 6,3 trilhões em...

Triste realidade

Em cada 4 bairros do Rio, 1 tem milicianos ou traficantes

Pré-candidatura de Ceciliano ao Senado ganha apoio na Região Serrana

Prefeito do PSB vira as costas para candidato do partido.