Venda de panetone deve crescer 5% neste ano ante 2020

Associação do setor estima que comércio do produto chegue a movimentar R$ 890 milhões em 2021.

A expectativa da Associação Brasileira da Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados (Abimapi) para este ano é que a venda de panetones cresça 5% em faturamento em comparação a 2020, chegando a movimentar R$ 890 milhões no período sazonal (novembro a janeiro) e 2% em volume, totalizando 41 mil toneladas. Em 2020 o setor faturou cerca de R$ 848 milhões e foram vendidas 40 mil toneladas de produtos.

Segundo a consultoria Kantar Worldpanel Division, quando analisada a classe social e idade dos consumidores do panetone, ele se concentra nas classes mais altas (A/B), mas expande volume nas C/D/E, principalmente entre os consumidores mais maduros com idade entre os 40 e 49 anos de idade.

Dentre os momentos de consumo, há uma alta concentração no lanche da tarde, que representa 29,7% de todas as ocasiões de consumo de panetones enquanto para total alimentos e bebidas, esse momento do consumo representa 8,9% das ocasiões. Seguido pelo lanche da manhã (10,8% panetone contra 4,8% total alimentos e bebidas) e café da manhã (49,4% para panetone contra 29,2% total alimentos e bebidas).

Os números são reflexos do esforço da indústria, que inova constantemente em sabores e embalagens personalizadas todos os anos, gerando valor agregado ao produto. Este alimento está presente em 52,4% dos lares brasileiros. O consumo per capita do país é de 440 gramas, o equivalente a um panetone inteiro. É metade em relação à Itália, o país de origem da receita, mas, considerando-se o tempo em que em que o alimento está na mesa dos italianos, o alcance brasileiro é extraordinário.

De acordo com o projeto setorial realizado pela Abimapi em parceria com a Apex-Brasil (Brazilian Biscuits, Pasta and Industrialized Breads & Cakes), o Brasil é o segundo maior player global de panetones, atrás apenas da Itália. Entre 2019 e 2020, as exportações de panetones obtiveram um aumento de 1% em volume, totalizando 5,8 mil toneladas exportadas no último ano. Entre janeiro e julho de 2021, já foram exportados pouco mais de 600 toneladas de panetones, o dobro no mesmo período do ano passado. Assim, observa-se que o impacto da pandemia trouxe estabilidade em 2020 e espera-se aumento nas vendas internacionais do produto ao final de 2021. Entre os principais destinos em 2020 (por valor exportado) estão: EUA (59%), Peru (15%), Paraguai (5%), Japão (4%) e Uruguai (3%).

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Crédito consignado: aumenta número de reclamações de cobrança indevida

O crédito consignado não solicitado por clientes está no topo das reclamações de consumidores. Em relação aos registros, a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon),...

Ciência: entidades pedem liberação de recursos

Organizações questionam redirecionamento para outras áreas de R$ 515 milhões, que eram do CNPq.

Leilão de Excedentes da Cessão Onerosa terá sucesso?

Após a realização da 17ª Rodada de Licitações de Blocos para exploração e produção de petróleo e gás natural no último dia 7, considerado...

Últimas Notícias

Crédito consignado: aumenta número de reclamações de cobrança indevida

O crédito consignado não solicitado por clientes está no topo das reclamações de consumidores. Em relação aos registros, a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon),...

Geração de energia solar traz R$ 35,6 bi de investimentos ao país

Potência nos telhados e terrenos com sistemas fotovoltaicos equivale a metade da capacidade de Itaipu.

Direito de controle sobre funcionários que trabalham de casa

Por Leonardo Jubilut.

Rio Indústria apoia lei que desburocratiza e facilita novos negócios

Em audiência pública realizada nesta quinta-feira (14), na Câmara Municipal do Rio, sobre o Projeto de Lei Complementar nº 43/2021 que regulamenta a Declaração...