Vendas caíram 10,3% na semana do Natal

Depois de uma breve recuperação na Black Friday, as vendas no varejo físico voltaram a cair na semana do Natal. Segundo os dados do Indicador de Atividade do Comércio – Natal, da Serasa Experian, houve uma redução de 10,3% no comparativo entre os dias 18 e 24 de dezembro de 2019 e 2020 em todo o país. Este é o pior desemprenho já registrado na série histórica, iniciada em 2003.

Na análise do fim de semana, entre 18 e 20 do último mês de 2020, a queda foi de 5,6%, com relação aos dias 20 a 22 do mesmo mês do ano anterior. Segundo os especialistas da Serasa Experian, o surgimento de uma segunda onda de Covid-19, que aqui no Brasil se intensificou a partir da segunda metade de novembro, avançando por todo o mês de dezembro, afugentou o consumidor das lojas. Além disto, parte das vendas de Natal acabaram sendo antecipadas pela Black Friday, que tiveram desempenho razoável em 2020 (alta de 6,1%).

Os números de São Paulo mostram que o tombo na semana da data comemorativa foi de 7,8%, enquanto no fim de semana, de -1,0%.

Em novembro, matéria do Monitor Mercantil alertava que o adiantamento do 13º dos aposentados do INSS realizado no meio do ano retiraria mais de R$ 21 bilhões das compras de dezembro.

O Indicador Serasa Experian de Atividade do Comércio – Natal tem como base uma amostra das consultas realizadas no banco de dados da Serasa Experian. Foram consideradas as consultas realizadas no período de 18 a 24 de dezembro de 2020 e comparadas às do período de 18 a 24 de dezembro de 2019. Para o fim de semana, foram consideradas as consultas realizadas no período de 18 a 20 de dezembro de 2020 e comparadas às do período de 20 a 22 de dezembro de 2019.

Por outro lado, dados do Sem Parar, empresa do grupo Fleetcor, de pagamentos automáticos no Brasil, os shoppings brasileiros recuperaram movimentação em dezembro, com base no aumento no fluxo de carros no último mês do ano. Segundo a companhia, no comparativo com os números de novembro do mesmo ano, a movimentação nos shoppings centers registrou um aumento de 28%. Volume esperado, diante das festas de fim de ano.

“Ainda que muito abaixo no comparativo com o mesmo período de 2019, o que já era esperado, essa época do ano foi essencial para a retomada econômica do setor, que já vem crescendo de forma contínua e crescente ao longo dos últimos meses”, destaca Carla Barreiros, diretora de Operações de Credenciados do Sem Parar.

São Paulo foi o estado que apresentou a maior movimentação nos shoppings, representando volume 61% do total. Já o estado do Rio de Janeiro ficou em segundo lugar, com a fatia de 21%.

As informações foram analisadas a partir das transações realizadas nos estacionamentos dos principais shoppings do Brasil onde a empresa atua e com base em seus mais de 5.5 milhões de clientes no país.

Leia mais:

Supermercados esperam crescimento nas vendas de 4,5%, em 2021

Vendas de veículos tiveram queda de 21,6% em 2020

Artigos Relacionados

Aplicativos mantêm total controle sobre trabalho de entregadores

OIT: o número cresceu 5 vezes nos últimos 10 anos.

Orçamento: Congresso ainda não votou vetos de 2019

A regra é que os vetos presidenciais com mais de 30 dias de publicação trancam a pauta de votações do Congresso.

Sistemas de saúde público e privado perto de colapso

Ocupação de UTIs acima de 80% nas capitais; hospitais do interior também estão lotados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.