Vendas do comércio carioca cresceram 2,5% em julho

Foi o segundo mês consecutivo de resultado positivo; em junho, vendas aumentaram 0,5.

O comércio lojista do Rio de Janeiro registrou crescimento de 2,5% nas vendas em julho, em comparação com o mesmo mês de 2020, de acordo com a pesquisa Termômetro de Vendas divulgada mensalmente pelo Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro (CDL-Rio) e pelo Sindicato dos Lojistas do Comércio do Município do Rio de Janeiro (SindilojasRio), que abrange cerca de 500 estabelecimentos comerciais da Cidade. É o segundo mês consecutivo de resultado positivo (em junho cresceu 0,5%).

A pesquisa mostra que os indicadores do mês de julho foram puxados principalmente pelo crescimento das vendas do ramo mole (confecções e calçados) e pelo ramo duro (eletrodomésticos e móveis). A modalidade de pagamento mais utilizada pelos clientes foi a venda a prazo com mais 5,8%, seguida da venda à vista com 3,0%.

Segundo Aldo Gonçalves, presidente do CDL-Rio e do SindilojasRio, que juntos representam mais de 30 mil estabelecimentos comerciais, julho registrou o segundo resultado positivo do ano.

“Este desempenho, mais uma vez, foi motivado pela diminuição das restrições impostas ao comércio pela pandemia e também pelo aumento do número das pessoas vacinadas que vem encorajando os consumidores a sair para as compras. Além disso as vendas também foram aquecidas pela ação pró-ativa dos lojistas, estimulando os consumidores com liquidações, promoções, planos de pagamento diversificados e crediário mais fácil”, explica Aldo.

Em relação às vendas conforme a localização dos estabelecimentos comerciais, no ramo mole (bens não duráveis) as lojas da Zona Sul venderam mais 5,7%, as do Centro mais 4,5% e as da Zona Note mais 3,7%. No ramo duro (bens duráveis) as lojas da Zona Norte faturaram mais 5,5%, as do Centro mais 4,5% e as da Zona Sul mais 2,9%.

Leia também:

Município do Rio gera 22 mil empregos formais no 1º semestre de 2021

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

‘Governo não apenas poderia, como deveria intervir na Petrobras’

Para especialista, Governo Federal deveria estar mais atuante para combater os preços abusivos dos combustíveis em toda a cadeia.

Crise leva 65% dos brasileiros a comprarem marcas mais baratas

Inflação derruba poder de compra, mas é favorável a investimento; para Proteste, dificuldade em pagar contas também é consequência da crise.

Reino Unido ameaça suspender gás para Europa

Britânicos não terão condições de manter suprimento no inverno.

Últimas Notícias

Sudeste teve alta de 5% nas vendas por internet em maio ante abril

Considerando a mesma base de comparação, o faturamento do setor também cresceu: 7%.

Marca chinesa de automóveis de luxo Hongqi abre 1º showroom em Israel

A concessionária de carros israelense Samelet Group abriu nesta terça-feira o primeiro showroom da marca chinesa de limusines Hongqi na cidade de Tel Aviv, no centro de Israel.

AstraZeneca continuará a aumentar o investimento na China

AstraZeneca, a gigante farmacêutica britânica, está otimista sobre as perspectivas econômicas e o crescimento do setor de saúde chinês, e continuará a aumentar seu investimento na China, disse Leon Wang, vice-presidente executivo da AstraZeneca, informou o Chinanews.com nesta quarta-feira.

Setor de energia é um dos alvos preferidos de hackers

Mais de 60% de todos os ataques foram de phishing; organizações criminosas de hackers são ameaça às infraestruturas críticas do Brasil.

Países árabes planejam expansão de energia limpa

Omã, Marrocos, Argélia e Kuwait estão entre os que têm planos mais ambiciosos.