Vendas no varejo devem crescer 2,7% em junho, por conta dos Namorados

Fecomércio-SP aponta que faturamento pode alcançar R$ 63,1 bi, um aumento de R$ 1,68 bi em relação ao mesmo período do ano passado

331
Varejo na Rua 25 de março (Foto: Paulo Pinto/Fotos Públicas)
Varejo na Rua 25 de março (Foto: Paulo Pinto/Fotos Públicas)

Projeções da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomércio-SP) indicam um cenário favorável para as vendas do varejo no Dia dos Namorados, segunda data comemorativa mais importante do primeiro semestre. No mês de junho, o faturamento dos cinco segmentos varejistas mais impactados pela data deve crescer 2,7% no Estado de São Paulo em comparação ao mesmo período de 2023.

Caso as expectativas se confirmem, as vendas do mês do Dia dos Namorados (comemorado no dia 12) podem movimentar R$ 63,1 bilhões, o que representa R$ 1,68 bilhão a mais em relação ao ano passado. Na avaliação da Federação, esse crescimento sugere uma tendência positiva geral no consumo para a data – tanto que, dos cinco grupos pesquisados, apenas um deve apresentar resultado negativo.

De acordo com as estimativas, o melhor desempenho será observado nos grupos que comercializam bens essenciais, com destaque para as farmácias e perfumarias: a previsão é de um faturamento 6,3% maior do que o mesmo período do ano passado. Essa atividade inclui alguns dos itens mais procurados para a data, como perfumes, cosméticos e produtos de beleza em geral. Outro destaque são os supermercados, que devem registrar um avanço de 3,5% nas vendas. Na avaliação da entidade, esse segmento vem apresentando uma trajetória positiva nos últimos meses e pode ser impulsionado por compras de alimentos e bebidas, refletindo uma tendência de os consumidores optarem por comemorar em casa o Dia dos Namorados, de forma mais íntima e pessoal.

Por outro lado, as vendas das lojas de vestuário, tecidos e calçados, que também comercializam alguns dos itens mais procurados para a ocasião, devem sofrer queda de 4,3%. Além de uma provável desaceleração da economia, o resultado negativo é atribuído à forte base de comparação, já que a atividade registrou crescimentos de 18,4% e 12,8% nos meses de junho de 2022 e 2023, respectivamente.

Espaço Publicitáriocnseg

No caso da atividade de eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos, a previsão é que ocorra um aumento moderado de 2,7% em relação ao ano passado, uma recuperação em relação a junho de 2023, quando as vendas caíram cerca de 8% em comparação ao ano anterior. Sobre os itens comercializados neste grupo, os celulares devem se destacar na hora de presentear. Por fim, as lojas de móveis e decoração devem ficar próximas da estabilidade (0,3%).

Segundo análise da Fecomércio-SP, o panorama para o Dia dos Namorados mostra uma dinâmica interessante de consumo, com crescimento em setores ligados a presentes tradicionais e essenciais, enquanto a queda no setor de vestuário parece estar mais relacionada a uma forte base de comparação, e, nesse contexto, uma eventual variação negativa das vendas não pode ser interpretado como um resultado muito negativo para os lojistas do segmento.

Já segundo pesquisa realizada pela Confederação Nacional dos Diligentes Lojistas (CNDL) e Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), a data deve movimentar R$ 23 bilhões no comércio, com cerca de 59% dos brasileiros indo às compras e com ticket médio de R$ 238.

Os indicadores Google Trends já mostram a mudança no cenário de consumo. Na plataforma as pesquisas “dicas de presentes para o Dia dos Namorados” teve crescimento de 70% na primeira semana de junho, “lugares para ir no Dia dos Namorados” cresceu 60% e “presentes para homens no Dia dos Namorados” também teve aumento de 60% na procura.

Os indicadores da pesquisa também levantaram que 57% das pessoas que pretendem presentear na data vão comprar presentes em lojas físicas.

Já o e-commerce brasileiro tem uma projeção otimista para este Dia dos Namorados e se prepara para crescimento significativo nas vendas online, tendo em vista que 33% dos brasileiros pretendem comprar presentes para a parceria em lojas virtuais, de acordo com dados apresentados no levantamento da CNDL e SPC Brasil.

Leia também:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui