Verbas para MKT digital e influenciadores superam 50% do total

90% das empresas ampliaram os investimentos em marketing digital em detrimento de outros canais.

Empresas / 10:20 - 29 de jul de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O marketing digital e as campanhas com influenciadores ganharam força no primeiro semestre deste ano e já correspondem por mais da metade das verbas destinadas ao marketing das empresas. Esta já era uma tendência do mercado, mas foi intensificada por conta da pandemia de Covid-19 que levou às empresas a uma forte retração das vendas físicas e a uma migração muito mais rápida para o digital.

Segundo a pesquisa Tendências para o Marketing, realizada pela Adaction e Inflr, realizada entre abril e junho deste ano, 90% das empresas ampliaram os investimentos em marketing digital em detrimento de outros canais. “No primeiro levantamento que fizemos, em março, vimos uma retração forte dos investimentos em marketing como um todo, mas em seguida, houve a realocação de verba, com a adequação das campanhas para a nova realidade trazida pelo isolamento”, explica Thiago Cavalcante, sócio da Adaction, veículo de comunicação de mídia digital e diretor de novos negócios da Inflr, startup especializada em ações com influenciadores digitais que consegue atingir 100% dos seguidores, multissegmentar e direcionar as entregas dentro da audiência de cada influenciador.

Após a queda de 60% dos investimentos em marketing ocorrida em março, houve uma retomada em abril (+14%), maio (+17%) e junho (+14%), sendo que, praticamente o total deste incremento está relacionado a campanhas via Internet. “As empresas estão buscando através do marketing digital e uso de influenciadores novos canais para se conectarem com seus consumidores que ficaram distantes das lojas físicas durante a quarentena”, diz Thiago Cavalcante. Esse acolhimento fez a diferença, inclusive, quando o assunto é faturamento. De acordo com a pesquisa, quem não lançou mão de nenhuma ação via web, sentiu uma queda 20% maior das vendas no período mais crítico do isolamento.

Das verbas realocadas, o levantamento identificou que 37% foram voltadas para promoções de e-commerce; 27% para a divulgação de apps e soluções e o restante (36%) são de campanhas institucionais que visaram dar apoio à população durante o período da quarentena. “Os gestores perceberam que precisavam observar sua reputação, após casos malsucedidos de empresários criticando o fim da quarentena e fazendo demissões”, observa.

O levantamento também demonstrou que as marcas ampliaram significativamente as campanhas realizadas junto a influenciadores digitais, que ganharam espaço e visibilidade durante a quarentena. Apesar da contração total dos investimentos em marketing, houve um aumento de 20% de inversões em campanhas com influenciadores digitais. Tal fato, inclusive, levou ao forte incremento das receitas da Inflr, que atingiu R$ 5,4 milhões em poucos meses.

Cavalcante lembra que esta é uma tendência que veio para ficar. “As pessoas estão cada vez mais conectadas. O marketing digital já supera 50% dos investimentos em campanhas por ser mais assertivo. As empresas estão agora descobrindo o poder do marketing de influência que veio para ficar”, complementa. Segundo o especialista, é preciso, entretanto, que haja certa cautela nas campanhas com influenciadores para evitar que estas sejam vistas como invasivas pelo consumidor.

Uma boa campanha agrega soluções de inteligência artificial a influenciadores digitais. Nelas a tecnologia evita a superexposição e a sensação de que alguém está querendo tirar vantagem de um momento tão difícil para o país. Para isso, a inserção do influenciador deve ocorrer apenas no momento certo e com a mensagem corretamente adaptada a cada situação”, diz.

Fundada em 2019, a Inflr desenvolveu a primeira plataforma que conecta anunciantes à influenciadores dentro de um marketplace. Nela, os anunciantes promovem seus produtos e serviços utilizando a influência dos ‘famosos’ junto a seus seguidores nas redes sociais. A plataforma gera relatórios em tempo real com os dados de cada campanha, para que as marcas e agências não dependam de relatórios manuais, enviados pelos próprios influenciadores

Dentre as vantagens da plataforma, está a possibilidade de as marcas se comunicarem com até 100% dos seguidores de cada influenciador, fazer campanhas de remarketing e inclusive multisegmentar essa entrega por: idade, sexo, geolocalização, comportamento de compra etc. Além disso, assim que se encerra o conteúdo orgânico de um story, a ferramenta consegue amplificar a comunicação para 30 dias.

Para os influenciadores, a plataforma conta com um algoritmo que calcula um score de influência através da análise dos perfis de redes sociais e remunera os influenciadores automaticamente.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor