Veto ambiental

     
          Ao participar de debate no Conselho Regional de Economia do Rio de Janeiro (Corecon-RJ), o economista Carlos Lessa, ex-presidente do BNDES, criticou a demora na liberação de projetos para construção de usinas hidrelétricas: “Existe o veto ambiental ao gasto em infra-estrutura”, disse Lessa.
No mesmo evento, vários participantes salientaram a contradição entre os empecilhos impostos à construção de hidrelétricas e a ausência de protestos contra o aumento da participação das poluentes térmicas a gás e carvão na matriz energética do país.

Mercado aprova
Os resultados do segundo trimestre da Petrobras foram melhores do que o esperado, opina o economista e analista da corretora WinTrade José Góes. “O lucro líquido da empresa alcançou R$ 7,7 bilhões, superando, desse modo, a projeção dos analistas do mercado, de R$ 6,7 bilhões”, diz. Segundo Góes, o Ebitda seguiu a mesma linha. Já a receita, de R$ 44,6 bilhões, seguiu as expectativas do mercado. “Existia uma preocupação de que um aumento dos custos da empresa pudesse gerar um impacto negativo nas margens. Entretanto, a julgar pelas margens divulgadas (margem líquida de 17,6% e margem Ebitda de 39,2%) – melhores inclusive que no segundo trimestre de 2008 – o resultado foi muito positivo”, explica o analista. O economista acredita também que a perspectiva para o segundo semestre do ano são bastante positivas. “A recuperação do preço do petróleo e a retomada da economia brasileira deverão garantir uma melhora ainda maior dos resultados daqui para frente”, conclui.

Leão dividido
A escolha de Otacílio Cartaxo para comandar a Receita Federal não trará as mudanças necessárias ao órgão, uma vez que o escolhido era o braço-direito da secretária anterior, avisa o Sindicato Nacional dos Analistas-Tributários da Receita Federal do Brasil (Sindireceita). “A permanência deste grupo na administração representa a continuidade de um projeto que envolveu a Receita Federal em polêmicas desnecessárias, paralisou a fiscalização e ampliou o caos no atendimento ao contribuinte.” O presidente do Sindireceita, Paulo Antenor de Oliveira, criticou a gestão de Lina Vieira e cobrou ações efetivas para aumentar a arrecadação, ampliar a fiscalização e a cobrança de processos fiscais.
Posição contrária à da Unafisco Sindical, sindicato dos auditores-fiscais, que apoiava Lina.

Sufoco
As exportações brasileiras de couros registraram, de janeiro a julho, queda de 52%, para US$ 588,62 milhões, em relação ao mesmo período de 2008, segundo dados elaborados pelo Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil (CICB). “Sem dúvida, a crise mundial segue afetando negativamente as exportações do couro brasileiro”, analisa o presidente do CICB, Luiz Bittencourt. O executivo culpa, além da crise econômica, as altas taxas de juros e, principalmente, falta de capital de giro para as empresas do setor.

“Nuevo” espinho
Estudiosos do jornalismo brasileiro não têm mais dúvidas: as Organizações Globo substituíram o ex-governador Leonel Brizola pelo presidente da Venezuela, Hugo Chávez, como inimigo público número 1 dos interesses globais. Mesmo residindo a quilômetros do Rio de Janeiro, Chávez já emplacou manchete do jornal das organizações pelo menos duas vezes em menos de um mês. Semana passada, uma colunista do diário mencionou os nomes de Chávez e da Venezuela 15 vezes numa única coluna. Haja obsessão.

Direitos
A LBV participará da VIII Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente do RJ, promovida pelo Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente da capital. Será nestas quarta e quinta, das 8h30 às 18h, no Senai-RJ (Rua Mariz e Barros, 678, Tijuca). Mais informações em www.cmdcario.rj.gov.br

Mendes em chamas
Ao chegar para uma palestra no Teatro Tobias Barreto, em Aracaju (SE), sexta-feira, o  presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, teve uma recepção “calorosa” de cerca de 200 manifestantes, entre jornalistas, estudantes de jornalismo, sindicalistas, sem-terra e trabalhadores urbanos sem teto. Gritando palavras de ordem contra Mendes, criticado por votar pelo fim da exigência do diploma para o exercício do jornalismo, os manifestantes queimaram um boneco em tamanho natural, com toga e a cara do ministro.
     
     

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVolta, JK!
Próximo artigoQuem rasga dinheiro?

Artigos Relacionados

SUS poderia ter salvado 338 mil norte-americanos

Assistência à saúde universal pouparia 1/3 das vidas na pandemia.

Ricaços da indústria foram poupados de perdas

Ações de empresas de tecnologia derreteram.

Indústria naval apresenta propostas para eleições 2022

Setor quer deixar para trás maré ruim dos últimos 7 anos

Últimas Notícias

BNDES: R$ 317,2 milhões nos aeroportos de Mato Grosso

Ao todo serão investidos R$ 500 milhões nos quatro aeroportos, com participação de 65% do BNDES

Fintechs emprestaram mais de R$ 12 bi em 2021

Crédito é quase o dobro do ano anterior, diz pesquisa da ABCD e PwC Brasil

Regulador divulga primeiro balanço sobre o 5G em Portugal

No final do primeiro trimestre, já havia 2.918 estações de rede 5G espalhadas por 198 cidades (64% das cidades)

Está mais fácil comprar carro na China

Vendas no varejo de veículos de passageiros atingiram 1,42 milhão de unidades durante o período de 1 a 26 de junho

Adquirir conhecimento é a chave para investir melhor

Para economista, medo é o mesmo sentimento que se tem do desconhecido