Vídeo revela verdadeiro presidente do Brasil

Por Pedro Augusto Pinho.

Opinião / 16:59 - 25 de mai de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Você leitora, leitor, que foi às urnas em 2018 pensando votar para presidente do Brasil, foi enganado. Ele já estava designado pelo sistema financeiro internacional, pela banca, pela entidade supranacional que controla o dinheiro no mundo.

Seria até o caso de nos perguntarmos: seria diferente se o eleito fosse outro? Difícil responder. Mas certamente teríamos alguém com mais modos, melhor educação, mais respeitoso a seu cargo.

O presidente do Brasil chama-se Paulo Guedes (Paulo Roberto Nunes Guedes, carioca de 70 anos, pai de Paula Drumond Guedes).

Nem sei como os militares presentes à reunião gravada ficaram tão quietos, tão conformados em estarem sendo agredidos pelo povo, quando o presidente se oculta atrás de um Ministério, o ministro da Economia.

Mas ele mesmo confessou (reconheceu) seu poder, pois vários participantes da reunião não eram ministros, mas pessoas designadas por ele para protegê-lo, para confirmar suas palavras, para ratificar suas ameaças.

O general Braga Netto foi uma vítima preferencial pela ousadia de apresentar um plano de desenvolvimento brasileiro, o Pró Brasil, destinado a criar empregos, dar salário e ocupações a milhões de brasileiros sem qualquer outro rendimento.

Guedes debochou do ministro ter aceito o codinome Plano Marshall, ao Pró Brasil. E aproveitou para chamar todos de ignorantes, que não haviam lido os livros que ele leu, não cursaram a faculdade que ele cursou, enfim, que seu talento era incomparavelmente superior ao de qualquer outro naquela sala. E todos mudos e quietos, sabendo quem ali representava o poder.

O próprio Bolsonaro havia, entre impropérios e insultos, reconhecido que o único que ele não podia demitir naquela sala era o ministro Guedes. E este nem precisou agradecer a deferência, pois sabia quem era a autoridade.

Brasileiros, se estão satisfeitos com o que ocorre no Brasil já sabem a quem agradecer, mas, estiverem descontentes, substituam o “Fora, Bolsonaro” pelo “Fora, Guedes”.

Pedro Augusto Pinho

Administrador aposentado.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor