Vidraça

“Ao tomar sua primeira medida econômica de maior importância para nosso país, a equipe econômica do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva agiu exatamente como a equipe econômica do governo anterior, cuja insensibilidade social sempre criticamos.” Assim começa a nota divulgada ontem por Paulo Pereira da Silva, presidente da Força Sindical – arqui-rival da CUT. Na mesma linha bateram integrantes do PSDB e da ala tucana do PMDB. O PT poderia ter passado sem essa.

A desculpa da vez
Num exercício da razão cínica de que falava o sociólogo polonês Peter Sloterdijk, os mesmos beneficiários dos gordos lucros proporcionados pela queda do real em relação ao dólar nos meses que antecederam à eleição passaram a produzir alucinações retóricas para justificar a escalada altista que os cevava. Para Sloterdijk, a razão cínica consistia no exercício da hipocrisia do bom-mocismo pela ideologia oficial para dissimular seu caráter perverso. Os beneficiados pela escalada do dólar a atribuíam à alta ou à baixa de candidatos nas pesquisas, à não adesão dos partidos à política econômica de Malan ou a tombos da Bolsa de Marte, entre outros fenômenos esotéricos.
Mais prático do que a consulta aos babalorixás do mercado, um exame do gráfico do câmbio mostra que a disparada do dólar teve início no fim de maio, quando o Banco Central deu um calote nos aplicadores de fundos de renda fixa e DI. No fim daquele mês, a moeda norte-americana estava cotada em cerca de R$ 2,50. Na semana seguinte, já saltara para perto de R$ 2,70, uma alta de 8%.
Passada a eleição, os mesmos criadores de “lulômetros” e esquisitices semelhantes forjam a versão de uma suposta lua de mel com o mesmo governo que não queriam no poder para teorizar sobre a baixa do dólar. Com a chegada dos vencimentos de papéis atrelados ao câmbio, a cada véspera dessa data, na qual se decide o valor a ser pago, a moeda norte-americana ensaia nova escalada.
Como se vê, os lucros continuam gordos, os beneficiários, os mesmos. Somente a desculpa da vez foi modificada. Agora, é a “reforma” da Previdência.

Origens
O discurso do presidente do BNDES, Carlos Lessa, em sua posse, sexta-feira, ainda repercute. Para o vereador Ricardo Maranhão (PSB-RJ), Lessa “deixou claro que o banco voltará às origens, já que foi transformado numa máquina de privatizar”. Maranhão ressaltou as promessas de investimento em infra-estrutura e programas de inclusão social.
Já o presidente do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Crea-RJ) Reynaldo Barros, classificou a fala de Lessa como “discurso de estadista”. Para ele, Lessa será capaz de ajudar a “exorcizar o neoliberalismo.
Já o professor da Cepal e do Instituto de Economia da UFRJ Carlos Medeiros destacou que “a transição institucional, em termos de projetos de desenvolvimento, começa pelo BNDES”. Porém, seu colega da Universidade Federal Fluminense (UFF) e do Conselho Regional de Economia (Corecon-RJ) Vitor Hugo Klagsbrunn diz acreditar que o banco terá problemas para gerar empregos no país. “O principal gerador de empregos é a pequena e média empresa e o BNDES vai encontrar na pouca capilaridade uma barreira”.

Wall Street
O membro do conselho editorial do MM e funcionário do BNDES Maurício Dias David salientou que serão os bancos comerciais e estatais como BB e CEF os encarregados de operar os financiamentos do BNDES às micro e às pequenas empresas. “O discurso foi de esperança e fé no Brasil e a repercussão foi imensa. Estávamos sendo massacrados, como um banco tipo Wall Street”, criticou David, lembrando que boa parte das exportações da Itália provêem das pequenas e das médias empresas.
“Crescer distribuindo renda e incluindo socialmente será o eixo da retomada do desenvolvimento. Além disso, haverá um esforço exportador que demandará a recomposição de cadeias produtivas que foram entregues ao vendaval neoliberal nos últimos oito anos”, acrescenta o diretor do Instituto dos Economistas (Ierj) Nelson Le Cocq.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDitadura
Próximo artigoFé na Enron

Artigos Relacionados

R5, a nova onda dos Brics

Paulo Nogueira Batista Jr. defende impulso a uso de moedas nacionais nas relações do bloco.

SUS poderia ter salvado 338 mil norte-americanos

Assistência à saúde universal pouparia 1/3 das vidas na pandemia.

Ricaços da indústria foram poupados de perdas

Ações de empresas de tecnologia derreteram.

Últimas Notícias

Cruzeiros marítimos estão em busca do tempo perdido

O setor quer recuperar o tempo que a pandemia atrapalhou

Fundos de investimento: R$ 8 bi de captação líquida

Renda fixa foi o destaque do primeiro semestre

Petrobras faz oferta de recompra de títulos globais

Interessados têm prazo até 12 de julho

Inscrições para Prêmio de Inovação em Seguros da CNseg

Premiação acontecerá em dezembro para três categorias

Abavt apresenta propostas para Dpvat

Ministério da Economia cria grupo de trabalho para discutir solução