Vilões da inflação: eletricidade, gasolina, diesel e gás de cozinha

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), uma prévia da inflação oficial, de 1,14% em setembro, divulgado nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) confirmou que além de energia elétrica, gasolina, óleo diesel e gás de cozinha seguem pressionando o custo de vida. É o maior aumento para o mês de setembro desde 1994. O índice acumula alta 7,02% em 2021 e de 10,05% em 12 meses.

A inflação voltou com força total no país, atingindo a todos, sobretudo os mais pobres. É mais uma prova do fracasso deste governo e do equívoco da política de preço de paridade de importação, adotada pela gestão da Petrobras, para reajuste dos combustíveis”, destacou o coordenador-geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Deyvid Bacelar. Ele faz um alerta: “Enquanto essa política não mudar, a inflação continuará a disparar, deteriorando ainda mais o poder de compra dos trabalhadores”.

Conforme o IBGE, gasolina foi um dos itens que exerceram os maiores impactos individuais sobre o IPCA-15 de setembro. O preço médio da gasolina subiu 2,85% entre agosto e setembro e acumulou alta de 33,37% no ano e de 39,05% nos últimos 12 meses.

Dados elaborados pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos, subseção FUP (Dieese/FUP) (veja o quadro 2), mostram que o gás de botijão subiu 2,32% em setembro, acumulando no ano alta de 26,83% e, em 12 meses, 32,93%. No óleo diesel, a variação no ano é de 30,03% e de 34,55% em 12 meses, até setembro. Os efeitos em cascata dos reajustes dos combustíveis atingiram fortemente o grupo de transportes (alta de 2,22% em setembro) e alimentação (1,27%).

A prévia da inflação para setembro acompanha os movimentos nos preços dos meses anteriores, com forte peso dos combustíveis. Somando energia elétrica e alimentação, estamos entrando nos dois dígitos de inflação anual”, constata o economista do Dieese/FUP, Cloviomar Cararine.

Dados do Ineep

Desde 2019, a gasolina subiu 57%, o óleo diesel 45% e o gás de cozinha 73%. Os reajustes foram muito acima da inflação do período, de 15%, medida pelo IPCA. Apenas em 2021, a gestão da Petrobras aumentou seu preço do gás de cozinha na refinaria em 40%.

Os cálculos foram elaborados pelo Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Ineep), com base em dados da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustível (ANP). Eles refletem os reajustes da política de preço de paridade de importação (PPI), adotada pela administração da Petrobras, e que acompanha a variação dos preços internacionais do petróleo, a cotação do dólar e os custos de importação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Pesquisa mostra saúde financeira dos brasileiros

O brasileiro está “mais apertado” por conta da pandemia de Covid-19, com 6 em cada 10 pessoas reduzindo gastos neste período. E mais: 66%...

Preços altos motivam consumidor a comprar produtos piratas

Cerca de 2,9 milhões de pessoas compraram produtos falsificados em um ano.

Brasileiros desconhecem o problema do saneamento no país

Para 80% o saneamento é um problema estrutural que não será resolvido no curto prazo.

Últimas Notícias

Lendas das small caps – market timing, recuperação e liquidez

O Monitor Mercantil publica a segunda parte do trabalho, iniciado no dia 18 de novembro, feito pela Trígono Capital sobre as sete lendas das...

Pesquisa mostra saúde financeira dos brasileiros

O brasileiro está “mais apertado” por conta da pandemia de Covid-19, com 6 em cada 10 pessoas reduzindo gastos neste período. E mais: 66%...

Recorde de retiradas líquidas da poupança: R$ 12,37 bi

O Banco Central (BC) informou, nesta segunda-feira, que as retiradas da caderneta de poupança superaram os depósitos em R$ 12,377 bilhões, em novembro. Essa...

Petrobras poderá se tornar uma empresa suja

A Petrobras anunciou no último dia 24 de novembro seu plano estratégico 2022-2026, com investimentos previstos de US$ 68 bilhões nos próximos 5 anos....

Empresas abertas na pandemia são 452% mais vulneráveis a fraudes

Com a chegada da pandemia e o aumento do desemprego, muitos brasileiros viram no empreendedorismo a oportunidade de conseguir uma renda mensal. A criação...