"Você faz suas escolhas e suas escolhas fazem você"

Empresa Cidadã / 16:44 - 17 de abr de 2001

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

(Steve Beckman) Uma empresa é o resultado da interação de pessoas para a satisfação de necessidades coletivas, através da transformação de recursos em bens e serviços. A diversidade de valores e opiniões que se encontra na base de toda empresa deve ser considerada quando ela faz as suas escolhas estratégicas, já que as escolhas feitas acabarão por transformar a própria empresa, as pessoas que com ela colaboram e seus acionistas. A opção estratégica pela cidadania empresarial passa por um processo de tomada de decisões em que é desejável o envolvimento do maior número de colaboradores. As decisões decorrentes de consenso trazem em si a maior possibilidade de sucesso, o que é mais do que uma rima. A empresa-cidadã é densa de valores e erguida com um ideário, substituindo valores já existentes. Neste processo, o comprometimento das lideranças formais e informais é inevitável, já que a substituição de modos de percepção do mundo, apesar de poder ser encarada como uma evolução, encontra os colaboradores, aí incluídos fornecedores e outros fora dos limites físicos da organização, em diferentes graus de receptividade aos novos conceitos propostos. Assim como se exige das organizações o equipamento técnico necessário para produzir e administrar, são exigidos também recursos tecnológicos para mudar. Esta, no entanto, é uma tecnologia menos abundante e não inteiramente consagrada. No que se refere à introdução de novos valores na empresa, o conceito de governança corporativa é uma ferramenta valiosa. Desde o início dos anos 90, quando foi editado o primeiro código de governança corporativa na Inglaterra por Adrian Cadbury, algumas dezenas deles já foram apresentados. Recentemente, o IBGC, Instituto Brasileiro de Governança Corporativa, divulgou o seu código de conduta, abordando temas complexos. Entre eles, encontra-se o do equilíbrio do poder, que deve ser perseguido através de algumas medidas. Uma delas é a existência exclusiva de ações com direito a voto. No caso da empresa dispor de ações preferenciais, recomenda-se atribuir aos seus detentores este direito. Trata-se também de um apelo à atratividade das empresas, já que o novo ambiente de negociação Bovespa destina-se àquelas que possuem apenas ações ordinárias. No caso de transferência de controle, o código do IBGC recomenda a obrigatoriedade do uso do instrumento do tag along, isto é o comprador ofereceria a todos os acionistas o direito de vender ações. No movimento de fechamento de capital, o código recomenda o uso do valor econômico das ações nas ofertas públicas para a retirada das ações do mercado, avaliado por consultoria independente. O código define também regras para os acordos de acionistas e convocações de assembléias. No que se refere aos acordos, eles devem estar disponíveis para o conhecimento de todos as acionistas e quanto às assembléias, é recomendada a convocação com o mínimo de 15 dias de antecedência e 40 dias na hipótese da empresa ter ADRs. Visibilidade também é palavra de ordem na governança corporativa. O código recomenda a divulgação no relatório anual das remunerações de diretores e conselheiros e a divulgação simultânea para todos os acionistas das informações que possam influenciar as decisões de investimentos. O código questiona ainda a compatibilidade da realização simultânea dos serviços de consultoria e auditoria por uma mesma empresa. Conceitos como os de cidadania empresarial e governança corporativa guardam muitas semelhanças, na medida em que tem propósitos convergentes como os de desenvolvimento institucional e atratividade de colaboradores, investidores e clientes. Qualidade de empresa-cidadã Os 800 mil usuários da Estrada de Ferro Carajás e das comunidades ao longo da linha são servidos pelo projeto "Educação nos Trilhos", da Fundação Vale do Rio Doce. As estações receberam monitores de TV que transmitem vídeos educativos e os passageiros recebem equipes de mobilização em ações de aprendizagem. Brevemente, vagões adaptados serão utilizados como salas de aula e levarão cursos de ensino supletivo para as comunidades.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor