Volta da renda emergencial mostra prioridades do Congresso

Pautas da equipe econômica encontrarão resistências no Centrão.

Assim que foi eleito para a presidência da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) começou a examinar os pedidos de retomada imediata da renda básica emergencial. O novo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), também é simpático à ideia.

Essa pauta mostra que não será fácil a convivência entre os novos presidentes e a equipe econômica do Governo Bolsonaro, como chegou-se a especular. Temas como privatização da Eletrobras, fechamento de agências do Banco do Brasil e até a Reforma Administrativa, apontada pelo ministro Paulo Guedes como essencial dentro de seu projeto, enfrentarão resistência.

O Centrão está longe de ser um bloco coeso. Interesses regionais movem seus integrantes. Parlamentares do Nordeste sabem o desgaste que será a privatização da Eletrobras na região. Igualmente, quem tem base nas pequenas cidades – ponto forte do Centrão – reluta em reduzir o atendimento do Banco do Brasil ou demitir servidores públicos.

Não vai longe o tempo em que Eduardo Cunha comandou a Câmara dos Deputados com apoio do Centrão e jogou no colo do Governo Dilma as chamadas “pautas-bomba”.

Arthur Lira destacou que é preciso construir uma pauta emergencial para resguardar a vida dos cidadãos, dinamizar a economia, criar empregos e preservar a responsabilidade fiscal.

A volta da renda emergencial é dada como certa, por unir interesses de empresários, políticos e do presidente Jair Bolsonaro, que vê sua popularidade – inflada pelos pagamentos no ano passado – derreter como picolé no calor de 40º do Rio de Janeiro após o fim do auxílio.

Alimentação foi o principal gasto com o auxílio emergencial. Ao fomentar o consumo das famílias, teve um papel importante na recuperação econômica. No terceiro trimestre, o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 7,7% em comparação com os três meses anteriores. As cinco primeiras parcelas contribuíram para elevar em 6,5% o PIB dos estados do Norte e Nordeste, segundo estudo dos economistas Écio Costa e Marcelo Freire, da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFPE).

Com o fim do benefício, quase 27 milhões de brasileiros voltaram à linha de pobreza extrema no país, sem conseguir garantir o sustento de suas famílias. De acordo com os dados da Caixa, com o fim do pagamento deixam de ser injetados na economia R$ 32,4 bilhões por mês.

Leia mais:

Governo tem 5 dias para explicar gastos do Fundo Clima

Risco de queda de governos nos 2 anos seguintes a uma epidemia grave

Carro elétrico precisa de petróleo

Reeleito, Ceciliano quer aprovar auxílio emergencial no Rio

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Lucros das empresas subiram 55% no primeiro trimestre

Em abril, quase metade das categorias de trabalhadores não conseguiu repor inflação.

Queda na indústria atinge todos os grupos de intensidade tecnológica

Perdas no primeiro trimestre de 2022 vão de 2,3% a 8,7%.

Otimismo dos comerciantes melhora em maio

Segundo a CNC, é o maior nível desde dezembro de 2021.

Últimas Notícias

B 3 lança novos produtos para negociação de estratégias de juros

Operações são estruturadas de contratos futuros de DI, DAP e FRC

JBS tem governança fraca, mas perfil de negócio forte

JBS tem governança fraca, mas perfil de negócio forte

Brasil corre risco de desabastecimento de diesel

Alerta foi feito inclusive pela direção da Petrobras

Lucros das empresas subiram 55% no primeiro trimestre

Em abril, quase metade das categorias de trabalhadores não conseguiu repor inflação.

PIB dos EUA cai mais que previsto, porém inflação perde ritmo

Recessão não está descartada, segundo analistas.