Volta às trevas

A Aneel calcula que a privatização da Eletrobras poderá elevar as tarifas de energia elétrica em até 16,7%....

A Aneel calcula que a privatização da Eletrobras poderá elevar as tarifas de energia elétrica em até 16,7%. Não se trata de otimismo; são cálculos chapa-branca. Analistas preveem uma elevação final ao consumidor bem maior. Hoje, a estatal é obrigada a vender a energia que gera por menos de US$ 10/MWh. No mercado, esse valor pode chegar a 20 vezes mais. Mas não é o argumento econômico, ainda que os números sejam espantosos, o mais grave na proposta do Governo Temer. É a perda de controle no setor, que significa, em resumo, perda de soberania.

Getúlio Vargas propôs a criação da Eletrobras, em 1954, após buscar conciliar diferentes tendências políticas, ideológicas e econômicas na tentativa de assegurar novas bases para o desenvolvimento industrial. A Comissão Mista Brasil-Estados Unidos (CMBEU) avaliou projetos de energia elétrica programados por empresas públicas como a Chesf e a Cemig. A Comissão, porém, suspendeu seus trabalhos em dezembro de 1953 por decisão do governo norte-americano. O rompimento das negociações para o financiamento dos projetos recomendados pela CMBEU contribuiu para a radicalização do discurso nacionalista de Vargas, mostra o Cpdoc da FGV. No final de 1953, o presidente denunciou as excessivas remessas de lucros das companhias estrangeiras e o obsoletismo do regime de concessões, acusando indiretamente a Light (canadense) e a Amforp (norte-americana) pelo atraso industrial do país.

As duas multinacionais mobilizaram seus lobistas na imprensa e nos partidos políticos e moveram intensa campanha contra o projeto. O cerco ao governo, todos sabem, levou Getúlio ao ato extremo. Na Carta Testamento, o presidente cita especificamente a Eletrobras. A estatal foi efetivamente criada em 1962, e de lá para cá o Brasil pulou de geração de 5.000 MW para mais de 100.000 MW. Romper com este quadro signifca voltar ao passado e às trevas – literalmente e figurativamente.

 

Búzios

A recuperação da economia brasileira deve ser sentida já neste ano, aposta o economista do mercado financeiro Octavio de Barros. “Tudo indica que o PIB do país terá um leve crescimento já em 2018, de 2% aproximadamente, recuperando-se da estagnação em 2017 e de quedas em 2016 e 2015, de cerca de 3,5%”, prognosticou no evento Panalpina Experience – Economy Trends (apesar do nome, foi realizado em São Paulo, mesmo).

O que o mesmo Octavio de Barros esperava, em meados do ano passado, para a economia brasileira em 2017? Alta de 1,5% (no início do ano previra 1,3%, ou seja, elevou a aposta com base na mudança de governo e da austeridade prometida, que traria o paraíso).

 

Rápidas

Foi falar em privatização da Eletrobras para reaparecer David Zylbersztajn, que comandou a venda de várias elétricas paulistas, antes de dirigir a ANP. Ele fará palestra na FGV Energia, dia 31 próximo, dentro da série Energia em Foco – Estratégia e Desafios para o Futuro. Inscrições: http://www.fgv.br/eventos/?P_EVENTO=3446&P_IDIOMA=0 *** O presidente da ABRH-RJ, Paulo Sardinha, recebe, nesta segunda-feira, na Câmara Municipal do Rio, a medalha Pedro Ernesto.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Falta de servidores traz prejuízo, inclusive financeiro

Fila de segurados no INSS vai engrossar precatórios em R$ 11 bilhões.

Desmonte do Estado se dá pelas beiradas

Miçangas e espelhos empurram reformas administrativas nos municípios.

O que vale pros precatórios vale pra dívida interna?

Se calotes são defensáveis, poderiam ser estendidos para os títulos públicos.

Últimas Notícias

Distribuição comercial: quais cláusulas e condições mais importantes?

Por Marina Rossit Timm e Letícia Fontes Lage.

Mercado corre do risco em momento de estresse

Se tem uma coisa que o mercado é previsível é com relação ao seu comportamento em momentos de estresse é aversão ao risco. “Nessa...

Petrobras: mais prazo de inscrição no novo Marco Legal das Startups

Interessados em participar do primeiro edital da Petrobras baseado no novo Marco Legal das Startups (MSL) poderão inscrever-se até o dia 12 de dezembro....

Canal oficial para investidor pessoa física na B3

A partir desta sexta-feira, a nova área logada do investidor da B3, lançada em junho, passa a ser o canal que centraliza todas as...

Fitch Ratings atualiza metodologia de Rating de Seguros

A Fitch Ratings, agência de classificação de risco, publicou nesta sexta-feira relatório de atualização de sua Metodologia de Rating de Seguros. Segundo a agência,...