Iedi vê reação incompleta no setor de serviços

Na comparação com novembro de 2018 cresceu 1,8%; dados são do IBGE.

Conjuntura / 11:36 - 14 de jan de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O volume de serviços no país caiu 0,1% em novembro de 2019 na comparação com o mês anterior. A pequena queda veio depois de uma alta acumulada de 2,2% nos meses de setembro e outubro, segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), divulgada nesta terça-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na comparação com novembro de 2018, no entanto, o volume cresceu 1,8%. Também houve altas de 0,9% no acumulado de janeiro a novembro de 2019 e no acumulado de 12 meses.

Na passagem de outubro para novembro, três das cinco atividades do setor de serviços tiveram queda no volume: transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (-0,7%), serviços prestados às famílias (-1,5%) e serviços de informação e comunicação (-0,4%). Por outro lado, duas atividades tiveram alta: outros serviços (1,7%) e serviços profissionais, administrativos e complementares (0,1%).

Em relação à receita nominal, os serviços tiveram queda de 0,5% na comparação com outubro. Na comparação com novembro do ano anterior foi observada uma alta de 5%. Já nos acumulados de janeiro a novembro de 2019 e de 12 meses, foram registradas altas de 4,4%.

Para o Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi), em novembro de 2019, o setor de serviços não se saiu tão mal quanto a indústria, mas também não obteve nenhum progresso. “Ou seja, o ano passado trouxe expansão para o setor de serviços, mas em um ritmo muito fraco. Ainda que existam outras causas, muito disso se deve ao segmento de transportes, que representa algo como 1/3 do setor como um todo, e que chegou a recuar 2,6% no período de janeiro a novembro. Trata-se, então, de uma reação fraca porque é incompleta”.

Ainda de acordo com o Iedi, este entrave à recuperação dos serviços não existiria, ou ao menos seria menos importante, se a indústria, que é grande demandante de serviços de transporte, não tivesse incorrido em um período recessivo no ano passado.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor