Vontade popular volta a vigorar na Bolívia

Neoliberal Mesa reconheceu a vitória de Arce

Internacional / 21:59 - 19 de out de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O candidato do Movimento para o Socialismo (MAS), Luis Arce, disse nesta segunda-feira que a Bolívia “voltou à democracia”, depois de uma pesquisa de boca de urna apontar sua vitória nas eleições para a Presidência da República em primeiro turno.

A empresa de pesquisas Ciesmori, que fez uma projeção para as redes de televisão Unitel e Bolivision, dá 52,4% dos votos ao candidato presidencial do MAS. Em segundo lugar aparece Carlos Mesa, da Comunidade Cidadã, com 31,5%. Com a vitória, além do Mexico e da Argentina, a Bolívia volta a ser progressista.

Os resultados dessa pesquisa diferem daquelas feitas antes de domingo, que apontavam segundo turno entre Arce e Mesa. O MAS deverá ter maioria no Senado e na Câmara dos Deputados. A presidente em exercício da Bolívia, Jeanine Áñez, afirmou no Twitter que, com base nos dados disponíveis, Arce e Choquehuanca venceram as eleições. “Parabenizo os vencedores e peço-lhes que governem tendo a Bolívia e a democracia em mente”, escreveu Jeanine.

O candidato neoliberal Carlos Mesa reconheceu nesta segunda-feira a vitória de Luis Arce.

O eleito foi parabenizado pelos presidentes da Argentina, Alberto Fernandez, da Venezuela, Nicolás Maduro e o ex-presidente Lula. O tribunal eleitoral, o governo interino da Bolívia e as missões internacionais de observadores pediram calma enquanto se aguarda o resultado oficial, que pode levar vários dias. A Bolívia realizou eleições nesse domingo para eleger presidente, vice, deputados e senadores para os próximos cinco anos.

Pela primeira vez desde 1989, Morales não participou do processo eleitoral na Bolívia. Após a eleição do ano passado na Bolívia a Organização dos Estados Americanos (OEA) divulgou relatório apontando fraude, o que depois foi desmascarado. O ex-presidente vive na Argentina desde que renunciou à Presidência em novembro de 2019, depois de denunciar a existência de um golpe de Estado e usurpação de poder.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor