26.4 C
Rio de Janeiro
segunda-feira, janeiro 18, 2021

Vítimas

A América Latina é “a região mais violenta do mundo, com uma taxa de 24,8 mortes violentas por 100 mil habitantes, enquanto a média mundial é de 9 mortes violentas por 100 mil habitantes”, lamenta o mestre em planejamento urbano e regional pela UFRJ e analista do IBGE Luíz Andrés Ribeiro Paixão, em estudo divulgado pela agência Notisa.

Impacto
A violência traz também consequências microeconômicas. A pesquisa de Luíz Andrés Ribeiro Paixão, realizada em Belo Horizonte, mostra que “a redução de 50% na taxa de homicídios valorizaria em cerca de 16,6% o preço de uma loja na AP Barro Preto, enquanto uma redução na mesma magnitude na taxa de roubos a transeuntes valorizaria em 40,6% a loja na mesma AP”. O autor do estudo “O impacto da violência no preço dos imóveis comerciais de Belo Horizonte” afirma que há “evidências robustas de que a criminalidade é um fator que diminuiu o preço do imóvel comercial”.

Vício de origem
O que mais chama a atenção na decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que revogou a exigência do diploma universitário para o exercício da profissão de jornalista é constatar que a maioria do plenário deixou-se embaralhar por antigo sofisma que mistura a defesa da liberdade de imprensa com a liberdade das empresas. A primeira, em caráter absoluto, não existiu, não existe e, provavelmente, não existirá em qualquer lugar em que existam aglomerados humanos com interesses de classe distintos.
Já a segunda, em geral, mostrou-se mais danosa que benéfica para a amplitude de espaço para a primeira. Haja vista que os barões da mídia, decadentes, que hoje enchem a boca para defender a revogação do “lixo autoritário”, são os mesmos que, em editoriais e no noticiário, defendiam o autoritarismo, não apenas em tese, mas, também, nas suas manifestações mais perversas, como a tortura, os desaparecimentos, o fechamento do Congresso, a censura explícita à liberdade de expressão etc.

Ritmo menor
A inadimplência no comércio lojista da Cidade do Rio de Janeiro cresceu 2,1% em maio em relação ao mesmo mês do ano passado, de acordo com o Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro (CDL-Rio). No acumulado de janeiro/maio, houve um aumento de 2,9% em relação aos cinco primeiros meses de 2008. A boa notícia para o comércio varejista da cidade é que as dívidas quitadas (índice que mostra o número de consumidores que colocaram em dia suas compras atrasadas) aumentaram 0,6%; a má notícia é que as consultas ao Serviço de Proteção ao Crédito diminuíram 10,7% em maio em relação ao mesmo mês do ano anterior.

Homônimos
O plenário do Senado aprovou, dia 16, o Projeto de Lei da Câmara (PLC 153/08), de autoria do deputado federal Regis de Oliveira (PCS-SP), que obriga cartórios e distribuidores judiciais a publicarem, em todas as certidões, os dados completos do devedor, seja ele pessoa física ou jurídica. Atualmente, esses documentos são publicados com dados incompletos, apenas com o nome do devedor, o que gera prejuízos aos homônimos. O projeto vai a sanção do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Xô, cigarro!
Cresce entre os executivos a resistência a contratar fumantes. Segundo a edição deste ano da pesquisa Contratação, Demissão e Carreira dos Executivos Brasileiros, realizada pela Catho Online, 83,2% dos presidentes e dos diretores de empresas têm alguma objeção à contratação de profissionais fumantes. Desse total, 51,3% têm muita restrição, enquanto 31,9% têm pouca objeção. Em 2001, a rejeição era de 50,9%; caiu para 44,1% em 2003, mas retomou o crescimento em 2005 (48,2%) e 2007 (48,4%).

Apagando
Já entre os gerentes e supervisores, a alta rejeição permanece menos oscilante. Em 2001 era de 46,5%; subiu para 47,9%, em 2003, e registrou 47%, em 2005; 46,8%. em 2007 até chegar aos 47,9%, este ano Na mesma proporção que cresce a rejeição, diminui o número de fumantes com o passar dos anos. Atualmente, somente 11,9% dos profissionais mantêm o hábito, contra 19,7% em 1997.

Artigo anteriorReescrevendo a História
Próximo artigoNeorrábulas
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

Mercado de automóveis está mudando, mas montadora sucumbiu aos próprios erros e à estagnação que já dura 6 anos.

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Se índice de óbitos por Covid-19 no Brasil seguisse a média mundial, teriam sido poupadas 154 mil vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.