Zodíaco dos vinhos: Peixes

Açúcar residual mais alto ou incitada pelos aromas, acidez menos evidente, taninos em baixa proporção ou já suavizados.

Chegamos ao último signo do Zodíaco! A trama mitológica que envolve a criação da constelação de peixes é muito antiga – remonta à civilização babilônica. Peixes era a representação da deusa do amor, Afrodite, e seu filho Eros, ambos transformados em peixes, para escaparem do monstro Tifão (já citado em Capricórnio), que fora enviado por outros povos para enfrentar os deuses do Olimpo. Afrodite teria atado uma corda entre si e Eros para que não se perdessem um do outro ao se jogarem no rio. Assim se tem a representação dos dois peixes.

O planeta regente de Peixes é Netuno, o mais distante em relação ao Sol, com temperaturas de 200ºC negativos e ventos que podem atingir até 2 mil km/h. Tem ainda uma extensa órbita, cujo movimento de translação leva um tempo equivalente a 164 anos terrestres. A velocidade, a temperatura, a noção de tempo do “planeta azul” podem ser associados, em certa medida, à imensidão do mundo oceânico e sua baixa luminosidade, temperatura, profundidade e mistério.

Dos piscianos, último signo de água, diz-se que são muito sensíveis, intuitivos, espiritualistas, amorosos. A fruição do amor é menos familial, como em Câncer, ou sexual, como em Escorpião; trata-se de um amor mais universal, inclusivo, oceânico. A urgência das demandas muito concretas incomoda seus nativos. Há uma enorme sensibilidade e facilidade de absorção das energias do entorno, o que os torna muito frágeis e sujeitos aos escapismos.

Os vinhos que podem representar Peixes devem ser pautados pela suavidade, pelo perfil mais acolhedor, que não excita nem irrita, mas acalma e podem levar à reflexão, à meditação. Açúcar residual mais alto ou incitado pelos aromas (mel, fruta), acidez menos evidente, taninos em baixa proporção ou já suavizados.

O vinho do primeiro decanato é de uma cepa branca e traz um pouco do frescor de um signo de ar, que o antecede, mas está também associada ao dulçor. Essa uva participa de forma majoritária do corte dos vinhos brancos doces de Bordeaux, França, cujos bagos são acometidos da chamada “podridão nobre” – uma desidratação natural, provocada pela ação do fungo Botrytis cinerea. Este é um fungo que pode ser associado a doenças da umidade nos vinhedos, mas, em certas regiões, tem uma ação benéfica e ajuda as cepas a concentrarem açúcar, permitindo a produção de vinhos licorosos muito ricos. O vinho de Sauternes e regiões vizinhas podem usar Sauvignon Blanc e Muscadelle, mas Sémillon tem importante papel em sua trama aromática.

O vinho clássico pisciano é comumente chamado de Vinho de Meditação: o Amarone della Valpolicella. Produzido na região do Veneto, Itália, é uma joia rara, que tem um método de produção também diferenciado, o qual envolve a “passificação” das uvas visando à concentração de açúcar. Neste caso, o vinho não fica doce, pois é todo transformado em álcool, resultando em um vinho encorpado, mas muito redondo, com um bouquet potente e envolvente de frutas secas, tabaco, especiarias e até de café amargo (amaro é amargo em italiano), fruto do trabalho com as uvas Corvina, Rondinella e Molinara e na vinícola.

Já no terceiro decanato, o vinho pisciano vai ganhando, moderadamente, a energia do ariano. Dolcetto é uma cepa do Piemonte, Itália que faz um contraponto aos tânicos vinhos de guarda da região (Barolos e Barbaresco), gerando vinhos amáveis, muito frutados, de acidez e taninos mais baixos.

E, assim, Peixes começa a se reconectar com as vibrações do mundo, da luz, da terra, subindo das profundezas do oceano para emergir no primeiro decanato de Áries e reiniciar a sua jornada. Assim também termina a nossa viagem pelo universo dos humores do zodíaco e dos vinhos, que nos ajudam a significar e a vivenciar esse “negócio” mágico que é a vida.

 

Participe dos cursos e aulas com degustação ministrados por Míriam Aguiar. Instagram: @miriamaguiar.vinhos. Blog: miriamaguiar.com.br/blog

Miriam Aguiar
Jornalista, educadora e especialista em vinhos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Rio manda R$ 2,4 tri para União e só recebe R$ 171 milhões

Estado é um dos mais prejudicados da Federação.

Volume de sedãs cai nos últimos anos

Onix Plus foi o mais vendido em 2021, apesar da crise dos semicondutores.

Redução dos impactos socioeconômicos das mudanças climáticas

Engajamento necessário de todos os atores sociais, especialmente das empresas.

Últimas Notícias

Electrolux lança desafio para arquitetos e designers de interiores

A Archademy, primeiro Market Network de Arquitetura e Design de Interiores do Brasil, abre inscrições para a edição do seu Archathon Electrolux 2022. O...

Gestão do Hopi Hari ganha na justiça e se mantém no parque

A gestão do Parque Temático Parque Hopi Hari acaba de obter decisão favorável, proferida pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, para...

Bancos chineses registram compra líquida de divisas em 2021

Os bancos chineses registraram uma compra líquida de divisas em 2021, pois a taxa de câmbio do iuan permaneceu geralmente estável e os fluxos...

RNI: Plano de negócio tem o melhor resultado dos últimos 7 anos

Prévia do 4T21 da construtora e incorporadora RNI, do grupo Empresas Rodobens, indica resultados superiores aos últimos sete anos. A empresa, que completou 30...

Chile quer renacionalizar cobre e bens públicos estratégicos

A campanha pela renacionalização do cobre e dos bens públicos estratégicos entregues às transnacionais durante o governo de Augusto Pinochet (1973-1990) tem sido impulsionada...